Colunistas

Ilhas Maldivas para solteiros, mochileiros e não milionários

Por Marcello Oliveira

Um destino paradisíaco para a lua de mel de casais milionários que gastam fortunas nos mega resorts com bangalôs sobre as águas cristalinas do Oceano Índico. Sim, estou falando da badalada Ilhas Maldivas, mas todas essas características citadas não são totalmente reais. Você não precisa ser um milionário, você não precisa ficar em um resort de luxo e, muito menos, precisa ser recém-casado pra visitar as Maldivas. O mundo ocidental pintou o paraíso asiático de tal maneira para que ele se tornasse um destino absolutamente exclusivo de casais em lua de mel para que a indústria que vive em volta da cerimônia matrimonial pessoa lucrar pesado com pacotes a preços surreais para a maioria dos casais brasileiros. O objetivo da coluna de hoje é desmistificar as Maldivas e provar que o conjunto de ilhas paradisíacas está ao alcance de muito mais pessoas que você possa imaginar e, talvez, até do seu! Bora conhecer, então, as Ilhas Maldivas para solteiros, mochileiros e não milionários? Vem comigo!

Indo

Sim, a conta salgada começa com o preço da passagem até lá. Mas essa será a parte mais cara de toda a viagem e garantindo seus voos com a 123milhas você certamente conseguirá os melhores preços do mercado.

Bom, a melhor forma de se chegar às Maldivas é com companhias do Oriente Médio, como a Qatar Airways e a Emirates (com conexão em Doha ou Dubai). O voo chega em Male, a capital das Maldivas. Aqui, algumas curiosidades: Male é a capital mais densa do mundo, com 80 mil pessoas vivendo na ilha que tem 1,7 quilômetro de comprimento por 1,0 quilômetro de largura. Simplesmente não há mais espaços para novas construções na capital. As Maldivas também são o menor país da Ásia e o menor país muçulmano do mundo. E justamente por falta de espaço é que o aeroporto internacional de Male é uma ilha à parte da capital, conectado à cidade por uma ponte e serviços públicos e privados de ferry.

Chegando

Após o desembarque, hora de seguir viagem para o resort ou para a ilha em que você ficará hospedado. Essa viagem pode ocorrer tanto com o serviço de transporte marítimo oferecido pelo hotel, como por lanchas e até iates particulares ou então um serviço contratado por você mesmo, que pode ser uma lancha privada ou até mesmo uma aeronave anfíbio (que pousa e decola na água). Vai depender da distância da sua ilha/hotel. Vale destacar que as Maldivas possuem 203 ilhas habitadas e outras 993 ilhas desabitadas. Observe com atenção o horário de chegada em Male, pois se o seu voo chegar muito tarde, a falta de operações noturnas para as ilhas te obrigará a passar uma noite na capital, onde a diária em um hotel razoável custa cerca de USD 500.

Ilhas Maldivas para solteiros, mochileiros e não milionários

Desembarque no Aeroporto Internacional de Male

Mas como a minha programação nas Maldivas foi baseada num passeio low coast (baixo custo), peguei dicas com uma colega mochileira sobre uma ilha acessível para passar uma semana. Ela me indicou a ilha de Maafushi. É uma pequena ilha com apenas três ruas principais e outras três que as cortam. Como é uma ilha híbrida, ou seja, recebe turistas mas também serve de moradia para os locais, ela é servida por ferries públicos, que levam passageiros e carga (mantimentos que chegam à capital e são distribuídos para as ilhas e hotéis). As velhas balsas são lentas – gastam mais de duas horas no trajeto até a capital -, enquanto uma lancha privada faz o mesmo roteiro em 45 minutos – e custa simbólicos USD 2.

Hospedagem boa e barata nas Maldivas

Fiquei em um hotel muito confortável na rua central (e principal) de Maafushi. A diária com pensão completa custa USD 80 para até duas pessoas. Se optar apenas pelo café da manhã, fica ainda mais barato. O próprio hotel oferece um variado cardápio de passeios e se a sua preocupação até aqui foi de chegar às Maldivas e não desfrutar de um bangalô para chamar de seu, não se preocupe. Há bons resorts de luxo que oferecem o day use de suas instalações por cerca de USD 100. Há opções de aluguel de um bangalô por a partir de USD 150, incluindo café da manhã, almoço e o transporte para a o hotel de ida e volta.

Os hotéis econômicos nas Maldivas não são muito divulgados para não melar o esquema milionário da indústria da lua de mel, mas a plataforma da 123milhas oferece todas as opções (de todos os valores) nas Maldivas. Vale pesquisar!

Opções de passeios

Além do day use num hotel/ilha cinco estrelas, há passeios ainda mais interessantes a partir de Maafushi, como o mergulho com os tubarões, observações de golfinhos, de arraias e visita às praias públicas. Mas cuidado: homens e mulheres devem estar adequadamente vestidos com trajes próprios nas praias públicas. Por ser um país muçulmano, as Maldivas não permitem o banho de mar com sunga ou biquíni, mas tudo isso é orientado no hotel. Nos resorts, no entanto, por terem praias particulares, as roupas de banho tradicionais estão liberadas.

Ilhas Maldivas para solteiros, mochileiros e não milionários

Praia pública nas Maldivas proíbe o banho de mar em trajes íntimos

O que também está liberado nesses resorts são as bebidas alcoólicas, que são vetadas no resto do país. Mas eu preciso ficar em resort para tomar uma cerveja ou vodka? Não! Para atender os turistas que não estão nos resorts, há um navio que durante a noite fica circulando a ilha de Maafushi com uma balada open bar, ao custo de USD 20. É uma opção para os baladeiras conhecer mochileiros de todo o mundo – e que não estão em lua de mel – nas Maldivas.

Também em Maafushi, por USD 20, você pode alugar um jet ski por uma hora. Com ele é possível ir até às ilhas vizinhas e também parar no Sand Bank, uma pequena ilha de areia incrivelmente branca que se forma durante a maré baixa. Você pode estacionar o jet ski, ligar o som e curtir um visual único.

Ilhas Maldivas para solteiros, mochileiros e não milionários

Sand bank: uma pequena ilha formada pela baixa da maré

 

Ilhas Maldivas para solteiros, mochileiros e não milionários

Mergulho com os tubarões: um dos passeios mais esperados nas Maldivas

Interação com os locais

Maafushi tem o benefício de colocar turistas e locais no mesmo quadrado e isso que é o mais interessante: a imersão em uma cultura bem diferente. Lá, os brasileiros se dão muito bem, principalmente pelo fato dos nativos amarem o nosso futebol. Eu estava lá quando ocorria o final da Copa América de futebol. Incrivelmente a TV Maldivas estava transmitido a partida ao vivo da seleção brasileira (com narração em divehi, a língua oficial do país, a partir dos estúdios, em Male). Naquele dia eu era o único brasileiro naquela ilha, que mais se parece uma aldeia de pescadores. Fui convidado a assistir o jogo junto com os nativos em uma barraca improvisada na praia. Durante o jogo, a notícia de que um brasileiro estava na remota Maafushi assistindo ao jogo da seleção de futebol do Brasil, curiosamente atraiu outros moradores, que pediam para tirar fotos comigo.

Experiência de pesca mas Maldivas te faz entender a base da economia local que vai além do turismo

Bem, passado o momento de “estrelismo”, no dia seguinte acompanhei a chegada dos pescadores do dia na ilha, com um barco carregado de atuns frescos. No dia seguinte, acompanhei uns pescadores para uma noite de pescas em alto mar. Ainda consegui pescar um peixe que foi o meu jantar naquela noite, gentilmente preparado pela cozinheira do hotel. Talvez um mega resort não faria essa gentileza.

Fugir do turismo de luxo padrão nas Maldivas te permite uma imersão na cultura local junto aos nativos

As Maldivas foram uma excelente surpresa para mim, tirando aquele estereótipo de “destino lua de mel”.