Colunistas

O Catar para milionários!

Por Marcello Oliveira

A Copa do Mundo de 2022 trouxe 32 países ao Catar e com eles, milhões de torcedores de todos os cantos. Para onde se olha em Doha, há algum vestígio da competição. Porém, alguns pontos bem exclusivos da capital seguem intactos e servem como refúgio aos locais que querem manter as tradições cataris como sempre foram e, por ser um país muito rico, esses lugares geralmente exageram no luxo e, claro, nos preços.

O Catar para milionários!

Seguimos os rastros dos locais para conhecer o lado mais luxuoso de Doha. Mesmo que você não seja um consumista nato e nem tenha disposição financeira para tal, o rolê dos ricaços árabes pode ser um prato cheio para turistas curiosos.

Quem nos guiou nesse mundo pra lá de exclusivo foi a guia Leila Martinez, do Turistando em Doha. Brasileira, ela mora no Catar há 10 anos e conhece cada canto do país, além de atender famílias com roteiros personalizados no Catar.

Nossa primeira parada é na Galeria Lafayette. Sim, a mesma que tem em Paris, mas aqui em Doha o buraco é mais embaixo. Para começar, as ruas abertas são climatizadas, mesmo ao ar livre. Isso porque no verão, as temperaturas chegam fácil aos 50 graus. Poderosos sistemas de ar condicionado jogam ar frio por dutos instalados no chão das ruas. Ali, entrei em um supermercado que parecia ser comum, mas onde se vende produtos do dia dia das famílias ricas, como uma lata de atum de R$ 500, um azeite balsâmico de R$ 5 mil, um pacote de macarrão de R$ 500 e uma garrafa de água por R$ 700. Um dos itens com melhor custo/benefício, considerando o luxo do lugar, é um óleo de trufas com lascas de ouro por R$ 320. Esse poderia ser até um souvenir de luxo do Catar.

O Catar para milionários!

Fachada da Galeria Lafayette

O Catar para milionários!

Supermercado de luxo

Do outro lado da rua, uma loja de departamentos de luxo que faz parte do complexo que oferece joias e relógios a preços inimagináveis para qualquer brasileiro, mesmo os mais ricos. Que tal uma gargantilha de ouro branco com diamantes por R$ 5 milhões? Ou um conjunto de colar, brincos e pulseira de rubis por R$ 4 milhões? Os relógios mais exclusivos do mundo, da marca suíça Purnell, estão disponíveis na vitrine com preços que variam entre R$ 350 mil a R$ 2 milhões. Esses relógios são numerados e feitos artesanalmente. A edição especial feita para presentear o Bola de Ouro da FIFA vem justamente com uma bola de ouro debaixo do cristal. Foram feitas apenas oito unidades. A peça de número 06 está à venda aqui em Doha pela bagatela de R$ 1,3 milhão.

O Catar para milionários!

Gargantilha de ouro e diamantes de R$ 5 milhões

Saindo dali, seguimos para o The Pearl (A Pérola, em português), que é uma ilha artificial construída para abrigar imóveis e alto luxo, como as palmeiras de Dubai. É lá que os ricaços de Doha ancoram seus majestosos iates e lanchas. Nesse bairro estão concentradas as concessionárias da Ferrari, Bentley, Rolls Royce e McLaren.

Estacionamento da galeria cheio de Rolls Royce

Em uma tradicional galeria, uma loja de perfumes me chamou a atenção. Os povos árabes costumam dar presentes caros aos amigos e perfumes é um dos preferidos deles. O frasco mais barato da Zawaya custa o equivalente a R$ 750. Mas o kit dele que inclui quatro pequenos frascos, além da madeira que serve como compósito principal da fragrância e que pode ser queimada para perfumar o ambiente. Uma caixa de luxo custa R$ 30 mil. Achou muito? Então o que pensar de um perfume que custa R$ 1.000 por cada ml? Ele é vendido em frascos de a partir de 12 ml a até 100 ml. Ou seja, o perfume custa entre R$ 12 mil e R$ 100 mil por frasco. E esse não é o mais caro da loja. A mesma marca trabalha com perfumes que chegam a R$ 300 mil.

O colunista é convidado a experimentar um dos perfumes mais caros da loja: cada ml por R$ 1.000

Por fim, nosso tour de luxo em Doha termina no gigantesco shopping de Al Hazm, ponto de encontro dos jovens da alta sociedade do Catar. O local foi todo construído com mármore branco. Foram mais de 40 toneladas trazidas da região da Toscana, na Itália, além de pedras da Palestina e mosaicos da Grécia. Para esculpir tudo isso no próprio local, eles trouxeram 250 artesãos do Rajastão, na Índia. Para se ter uma ideia, até os elevadores são feitos de mármore. Os banheiros ostentam detalhes da riqueza da arquitetura da construção. No centro comercial, há poucas lojas, nenhuma mundialmente conhecida, mas as mais exclusivas grifes cataris estão lá. Lojas que vendem, por exemplo, as tradicionais sandálias usadas pelos árabes, com pregos que chegam aos R$ 50 mil quando feita com o melhor tipo de couro de camelo.

Shopping mais elitizado de Doha: Al Hazm

Uma cesta de 4 kg de chocolates de uma chocolateria suíça custa R$ 10 mil. O gerente me explicou que, apesar da empresa ter lojas na Europa, apenas as lojas do Catar possuem conjuntos tão exclusivos. Os finos chocolates (comprovado por mim mesmo, ao receber algumas unidades para degustação), são montados em taças ou bandejas douradas feitas na Itália. Um mimo muito usado pelos cataris para presentear mamães e bebês recém-nascidos.

O Catar para milionários!

Cesta de chocolates ao preço de R$ 10 mil