Colunistas

Viagem pelo deserto de Al Khatim (Emirados Árabes Unidos)

Por Marcello Oliveira

Uma trip pelos Emirados Árabes Unidos já pode ser considerada exótica mesmo se incluir o trivial, como Dubai e Abu Dhabi. Quase nada nessas cidades é familiar à maioria dos brasileiros e, por incrível que pareça, é possível torná-la ainda mais exótica. Uma viagem pelo deserto de Al Khatim (Emirados Árabes Unidos) é uma boa opção para quem quer algo bem diferente e ainda mergulhar na cultura árabe.

O passeio pelo deserto árabe é tão interessante que o fiz nas duas vezes em que estive no país. Há pelo menos três opções: um bate e volta saindo de Dubai ou Abu Dhabi, uma viagem mais longa que inclui até um acampamento de uma noite no deserto e chegando à cidade de Al Ain e, até mesmo, uma opção mais completa, que te leva até além da fronteira com Omã.

Em todas elas, você precisa contratar uma empresa especializada que te busca no hotel, pois viajar pelo deserto requer, além de um 4×4, motoristas capacitados para dirigir na área e, principalmente, que conheçam bem o lugar. São muitas histórias de pessoas despreparadas que se aventuraram a viajar pelo deserto e dele nunca conseguiram sair. Daí a importância de ir com bons equipamentos e pessoas que conhecem bem a região, assim o passeio fica completamente seguro.

Carros e motoristas preparados

O vento que muda a todo momento o desenho das dunas no deserto, leva a areia para a cidade, daí surgem as “tempestades de areia”. Por isso, a areia faz parte da paisagem de Abu Dhabi, mesmo na sua área mais urbana. A saída é por uma movimentada e bem conservada estrada asfaltada. Antes de sair do asfalto, uma parada em um posto de gasolina para comprar água e comida em uma loja de conveniência. De lá, seguimos por uma estrada de areia até a primeira parada, na entrada do deserto, em um mercado de camelos.

Para nós, ocidentais, soa como algo estranho, super turístico, inclusive, mas para os árabes é como se fosse um supermercado, de tão comum que é. Nesse ponto é que diminuímos a pressão dos pneus, para facilitar a direção na areia fofa.

O SUV de porte grande Land Cruiser, da Toyota, é o modelo favorito dos árabes para fazer esse caminho. Com ele, os árabes cruzam o deserto de Al Khatim para chegar em Omã e também passam por ele para chegar até a Arábia Saudita. O curioso é que, apesar de terem um bom sistema de tração 4×4 reduzida, os SUV´s não passam por alterações profundas, nem mesmo têm os pneus de uso misto (asfalto/terra) trocados para pneus mais robustos para uso em areia. Por dentro, ele recebe reforço na proteção por “santoantonio“, que são estruturas tubulares que reforçam as colunas, mantendo uma célula de sobrevivência na cabine do veículo, protegendo os ocupantes em um eventual capotamento.

viagem pelo deserto de Al Khatim (Emirados Árabes Unidos)

À medida em que vamos avançando em direção ao Al Khatim, vamos encontrando camelos e dromedários vagando sem donos pelo caminho. Neste momento, já não há demarcação de vias, uma vez que o movimento das dunas é constante, alterando seu formato a todo o momento. Cerca de duas horas depois é preciso fazer uma parada, no meio do deserto. São 360º graus de areia em nosso raio de visão. A parada é estratégica para abrir o capô do carro e refrescar um pouco os motores V8 a gasolina que trabalham duro em um piso tão instável.

viagem pelo deserto de Al Khatim (Emirados Árabes Unidos)

Carro checado, voltamos ao sobe e desce. Muitas vezes o carro escorrega de lado nas dunas, dando a impressão que vai tombar, mas a maestria dos motoristas é tanta que temos no máximo uns mergulhos em bancos de areia, que chegam até aos vidros dianteiros.

Dança do ventre no meio do deserto

Não almoçar antes de ir para o deserto de carro é uma dica de ouro. A instabilidade do piso por onde o veículo trafega pode nos fazer ficar um pouco enjoados. Por falar em comida, onde se alimentar em uma viagem que atravessa o deserto, se não há restaurantes e nem postos de combustível?

O sol já está indo embora e a temperatura ficando mais amena (bem mais agradável) quando chegamos a um histórico vilarejo de nômades que rodam pelo Al Khatim. Tudo encenado para os viajantes, principalmente turistas, mas temos uma ideia real de como era, antigamente, o dia a dia do povo que vivia naquela região.

viagem pelo deserto de Al Khatim (Emirados Árabes Unidos)

Um típico jantar árabe é oferecido, com carne de cordeiro, frango, carne bovina, arroz e batatas assadas.

viagem pelo deserto de Al Khatim (Emirados Árabes Unidos)

Para quem curte, narguilé à vontade.

viagem pelo deserto de Al Khatim (Emirados Árabes Unidos)

Assentados em tapetes colocados por cima da areia, os curiosos viajantes assistem apresentações de danças do ventre. As mulheres nos países árabes são proibidas de dançar durante o período do Ramadã, o maior feriado religioso para a comunidade muçulmana.

Nesse ponto, podemos descansar em confortáveis “puffs” e almofadas e até dormir um pouco antes de retomar a viagem. Há os que preferem explorar mais um pouco do deserto em quadriciclos motorizados, em motos de motocross ou até montado em camelos (ou dromedários). O pôr do sol deixa a paisagem alaranjada e convida todos a contemplar a natureza.

 

Hora de seguir viagem. Alguns seguem até Al Ain, outros vão até Muscat, capital de Omã, e há os que voltam para seus hotéis em Abu Dhabi ou Dubai. De noite, o cuidado é redobrado na direção por causa dos camelos que entram na frente dos carros atraídos pelos faróis.

Quer sentir um pouco o clima do deserto de Al Khatim? Então dê o play no vídeo que preparamos para você logo acima.