Colunistas

Wellington: o que fazer na capital da Nova Zelândia?

Por Marcello Oliveira

Você que estava órfão de uma Copa do Mundo desde que o Mundial do Catar acabou, e que já está contando os minutos para a Copa de 2026 na América do Norte, pode tirar a camisa canarinho do armário, pois no meio de 2023 tem mais: vem aí a Copa do Mundo de Futebol Feminino.

Pela primeira vez na história, o evento será totalmente idêntico e igualitário ao formato tradicional, da competição masculina. Recentemente, a FIFA anunciou que mais de meio milhão de ingressos já foram vendidos para o Mundial. A Copa será realizada na Oceania, dividida entre dois países: Nova Zelândia e Austrália.

A excelente notícia é que os dois países facilitarão a entrada de quem quiser acompanhar a competição. A Austrália, por exemplo, vai oferecer o visto gratuito aos brasileiros, e o documento pode ter validade de até um ano. Então, seria bom já ir conhecendo as cidades sedes e o que fazer por lá. Hoje a coluna vai apresentar Wellington, a capital da Nova Zelândia.

A cidade neozelandesa pode ser um pouco menor em comparação com lugares como Londres ou Nova York, mas Wellington certamente tem um charme único. Realmente existem muitas coisas interessantes  para fazer espalhadas pela capital, que fazem valer a visita.

Você vai amar a cidade tanto quanto o resto da Nova Zelândia. É realmente um lugar incrível para se visitar.

Do cenário épico à fervilhante cultura do café, a metrópole tem muito a oferecer a nós, visitantes. Você certamente encontrará as melhores coisas para fazer em Wellington, mas há alguns lugares realmente imperdíveis.

Estive na cidade em duas ocasiões: em 2012 e em 2019. Apesar de ser a capital do país, ela tem um clima intimista de cidade do interior. A cidade é lar de 250 mil pessoas, mas se considerar toda a área metropolitana, incluindo as cidades vizinhas, a população total sobre para 420 mil moradores.

A capital perde em tamanho populacional para Auckland, a maior cidade do país e que está localizada na ilha norte, e Christchurch, a segunda maior cidade, na ilha sul. Wellington está localizada no extremo sul da ilha norte da Nova Zelândia.

Como chegar?

Não há voos diretos do Brasil para a Nova Zelândia. A opção mais rápida é pela Latam, que voa até Auckland, mas com conexão em Santiago, no Chile. Em Auckland você deve pegar outro voo de uma companhia aérea local até Wellington, uma viagem de cerca de uma hora.

Ainda neste assunto, lanço aqui uma curiosidade: o Aeroporto de Wellington é considerado um dos mais perigosos do mundo. Especialistas em aviação dizem que para aterrissar no terminal de Wellington é preciso que o piloto tenha muita habilidade e experiência. A pista fica em uma área montanhosa e é atingida frequentemente por rajadas fortíssimas de vento, tornando o pouso bastante desafiador. Mas fique tranquilo, que apesar disso, não há registros de graves acidentes.

Então vamos aos principais pontos da capital da Nova Zelândia.

1) The Beehive

Este deve ser um dos edifícios parlamentares mais exclusivos e interessantes do planeta, e é possivelmente o mais indicado ponto de visita de Wellington.

Depois de admirar a arquitetura distinta e talvez explorar os jardins, faça um passeio gratuito pelo interior.

2) Galeria da cidade Wellington & Cake

Este edifício histórico era originalmente a biblioteca da cidade, mas foi reaproveitado como um dos principais espaços de arte de Wellington.  Você pode ver uma série de palestras e performances aqui, bem como exposições permanentes e temporárias de arte contemporânea.

Wellington o que fazer

3) Wellington Waterfront

Bem no centro da cidade, Wellington Waterfront é uma área linda para fazer uma pausa.

Possui vários cafés e restaurantes para relaxar, bem como as opções de patinação, ciclismo ou passeio de barco, para uma vista impressionante da cidade.

4) Old St. Paul’s

Restaurado e cuidado por muitas décadas, o Old St. é um ótimo local para ver alguns dos edifícios do século 19 da cidade.

Realmente é uma das melhores coisas para se fazer em Wellington.


5) The Kelburn Lookout

Você pode pegar um teleférico antigo até o Kelburn Lookout em vez de caminhar, para uma experiência autêntica (e muito mais confortável).

Você realmente não viu Wellington até contemplar as vistas panorâmicas do Kelburn Lookout.  O teleférico original do local também está em exibição no pequeno museu no terminal do veículo.

Wellington o que fazer

6) Wellington Botanic Gardens

Você não precisa ser um grande fã de jardins para aproveitar os 25 hectares da encosta da cidade, que foram designados como “Wellington’s Botanic Gardens”.

A área possui 110 canteiros de rosas e inúmeras outras flores coloridas para os visitantes apreciarem.  Ela também contém um planetário (The Carter Observatory) e uma coleção de espécies de plantas tropicais na Begonia House.

7) Zealandia

Se os jardins não são uma pausa suficiente da agitação da cidade e você realmente quer voltar para a natureza, Zealandia é o lugar certo. Esses 225 hectares de eco-santuário estão a apenas 2 quilômetros do centro da cidade.

A área abriga uma grande variedade de vida selvagem da Nova Zelândia, por isso é ótima para avistar os animais típicos da região.  Você pode até vislumbrar um pássaro kiwi ou o famoso tuatara, se tiver sorte.

8) Colonial Cottage Museum

Um passeio turístico por Wellington não estaria completo sem ver a casa de campo original mais antiga da cidade. O edifício foi construído como uma casa de família na década de 1850, por William Wallis, e você ficará surpreso com o quão bem ele foi preservado.

Wellington o que fazer

A casa, móveis e acessórios originais são relíquias importantes da era pioneira da Nova Zelândia e podem ser vistos por meio de uma visita guiada, oferecida várias vezes ao dia.

O colunista no parlamento neozelandês

O colunista no parlamento neozelandês