Todos

Rio de Janeiro: 5 botequins para conhecer fora da Zona Sul

Por Nenel Neto

 

Que o Rio de Janeiro é lindo, todo mundo está cansado de saber.

Mas a Cidade Maravilhosa é muito mais que a orla, que o belo balneário conhecido em todo o mundo. Ainda mais em se tratando de botequim, algo tão carioca, proveniente das tradicionais tascas portuguesas.

Sendo assim, faço aqui um mini guia diferente, sem os clichês – muitas vezes deliciosos, é verdade – da Zona Sul da capital fluminense.

Apresento a vocês cinco botecos de respeito fora da rota tradicional dos turistas.

Vamos lá!

 

1 – Bar do Momo

Em funcionamento desde 1972, na Tijuca, o Momo é um dos grandes botequins deste vasto país.

Há 35 anos o bar está sob o comando de Antônio Lopes dos Santos, o Tonhão, mas quem aparece mais hoje em dia é o filho dele, Antônio Carlos Laffargue, carinhosamente conhecido como Toninho.

Por falar em Toninho, o considero um gênio da cozinha. Ele é autodidata, como é grande parte dos cozinheiros de botequins Brasil afora.

Toninho é dono de feitos como o bolovo, preparado com bolinho de bacalhau recheado com um ovo cozido de gema mole, e o sublime bolinho de arroz cremoso com lingüiça e três tipos de queijo, além do t-rex, um prato composto por 600 gramas de contrafilé alto e mal passado, coberto com manteiga de alho e acompanhado por dois ovos com gema mole e pãozinho fatiado.

O sujeito em questão é criativo e, mesmo assim, não deixa seu botequim perder a essência, tanto que oferece clássicos como sardinha frita e torresmo. A batidinha de gengibre é uma delícia.

O Momo é pedida obrigatória para quem vai ao Rio de Janeiro.

Endereço: Rua General Espírito Santo Cardoso, 50 – Tijuca.

O que pedir: Bolovo de bolinho de bacalhau, bolinho de arroz, t-rex e batida de gengibre.

Instagram: @bardomomooficial

Bolovo do Momo / crédito: Nenel Neto – Baixa Gastronomia

 

2 – Bar do Bode Cheiroso

Este clássico de mais de 70 anos, localizado no Maracanã, é imune à malfadada gourmetização, graças a Deus.

No cardápio, belos pêéfes, como o de pernil com maionese, e petiscos exemplares, a exemplo do torresmo de barriga cortado em longas tiras, conhecido na área como barra de cereal.

Pra finalizar, que belo nome para um botequim, né? Bar do Bode Cheiroso!

Endereço: Rua General Canabarro, 218 – Maracanã.

O que pedir: Pêéfes (pratos feitos), barra de cereal e pernil assado.

Instagram: @bardobodecheiroso

Barra de cereal do Bode Cheiroso / crédito: Instagram do Bode Cheiroso

 

3 – Velho Adonis

Conheci o Adonis em 2017, já no fim de sua gloriosa era. E foi lindo. Juro.

Quando lá estive, este bar e restaurante português, aberto em 1952, sofria com a decadência da região do bairro em que está localizado, Benfica. Mas, em junho de 2019, o cearense João Paulo Campos assumiu o bar e fez dele, novamente, um destino disputado fora da Zona Sul.

O bolinho de bacalhau é obrigatório, assim como o incomparável chope, vindo de uma velha chopeira em bronze com mais de 70 anos.

Para comer, a pedida do momento é o polvo com bacon, que até ganhou prêmio da Revista Veja Rio como o Melhor Petisco do Ano, em 2020.

Endereço: Rua São Luiz Gonzaga, 2156 – Benfica.

O que pedir: Bolinho de bacalhau, chope cremoso e porção de polvo com bacon.

Instagram: @velhoadonis

Polvo com bacon do Velho Adonis / crédito: Instagram Velho Adonis

 

4 – Bar da Portuguesa

Para quem gosta de bolinho de bacalhau, o Rio de Janeiro é o paraíso.

Glória suprema do subúrbio carioca, o Bar da Portuguesa é craque nesta iguaria.

Como se não bastasse, o local ainda tem muita história.

Inaugurado em 1968, o botequim foi frequentado assiduamente por Pixinguinha (1897 – 1973). Na porta do bar, inclusive, há uma escultura do maestro sentado na cadeira onde ele costumava passar horas a fio.

Em 2021, o Bar da Portuguesa recebeu da prefeitura a placa de Patrimônio Cultural Carioca.

Endereço: Rua Custódio Nunes, 155 – Ramos.

O que pedir: Bolinho de bacalhau.

Instagram: @bar_da_portuguesa

Bolinho de bacalhau do Bar da Portuguesa / crédito: Nenel Neto – Baixa Gastronomia

 

5 – Bar e Lanchonete Rex

Nunca comi um frango assado tão gostoso e suculento quanto o do Rex, um botequim pé sujo localizado na Praça da Bandeira.

Os franguinhos – não são galetos – ficam girando sobre incandescentes brasas, em uma vitrine com vista para quem está do outro lado do balcão. O resultado é assustadoramente delicioso.

Frango para comer com as mãos e se lambuzar sem culpa, ainda mais acompanhado por uma farofinha e um vinagrete, chamado de molho à campanha no Rio de Janeiro.

O Rex existe desde 1966 e, até hoje, se mantém como um botequim simples, sem afetações.

Se tiver coragem, experimente a cachaça curtida no coco e, se o apetite permitir, peça a rabada com agrião.

Endereço: Rua do Matoso, 7 – Praça da Bandeira.

O que pedir: Frango assado na brasa, cachaça curtida no coco e rabada com agrião.

Instagram: @barrex1966

Frango assado do Rex / crédito: Nenel Neto – Baixa Gastronomia