Tem que ir para o Rio de Janeiro - Blog 123Milhas
Tem que ir para o Rio de Janeiro

Tem que ir para o Rio de Janeiro

19 de novembro de 2021

Muito além das belas praias e do samba, o Rio de Janeiro é um verdadeiro palco de surpresa para os turistas de todas as partes do planeta. As paisagens de tirar o fôlego somadas a inúmeras opções gastronômicas, culturais e de entretenimento são mais do que motivos pelos quais você tem que ir para o Rio Janeiro.

Ruas e becos da Cidade Maravilhosa transbordam muita história desde a colonização do Brasil. Antiga sede da colônia, abrigo da corte portuguesa e ex-capital do país, o Rio de Janeiro se desenvolveu nos mais variados aspectos, concentrando tudo o que uma metrópole de alto padrão pode oferecer. E, claro, também é cheia de contrastes.

Por conta do tamanho da capital fluminense e grande oferta de atrativos, o planejamento da viagem precisa ser muito bem feito para você não se perder. A melhor estratégia para conhecer a Cidade Maravilhosa é adotar roteiros simples, com poucos pontos turísticos no mesmo bairro ou região em um só dia. Não dá para visitar lados opostos da cidade na intenção de conhecer várias atrações no mesmo dia.

Assim como o Cristo Redentor, a cidade parece esculpida para encantar os visitantes. Se tem um destino turístico que merece a sua visita é o Rio. Por isso, mapeamos os principais lugares e te explicamos por que você tem que ir para o Rio de Janeiro. Prepare o roteiro com a 123Milhas!

 

Cristo Redentor

A estátua pode ser vista de braços abertos em vários cantos da cidade. Mas é indispensável, pelo menos uma vez, subir no alto do Corcovado e tirar uma foto de braços também abertos logo abaixo de seus pés. Inaugurado em 1931, o Cristo Redentor é o mais famoso ponto turístico do Rio de Janeiro.

Lá de cima é uma das vistas mais privilegiadas da Baía de Guanabara junto ao Pão de Açúcar mais embaixo. Dia de céu limpo é fundamental para desfrutar do passeio. O monumento entrou para a seleta lista das 7 Maravilhas do Mundo e foi reconhecido como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

O Cristo Redentor é o principal cartão-postal do Rio de Janeiro.

O acesso ao Cristo é feito de van, partindo das estações Paineiras, Largo do Machado e Copacabana. Agende com antecedência. Ou suba pelo charmoso trem do Corcovado.

Uma das vistas mais deslumbrantes da cidade maravilhosa.

Os ingressos podem ser adquiridos no Centro de Visitantes Paineiras (no “pé” do Cristo) ou no site Paineiras Corcovado: www.paineirascorcovado.com.br. Caso opte por ir de trem, o bilhete da entrada já está incluso no passeio. Os preços variam de R$30 a R$70.

A vista do alto do Corcovado, aos pés do Cristo, é uma das mais deslumbrantes do mundo.

A estátua está localizada no topo do morro do Corcovado, a 703 metros de altura acima do nível do mar, no Parque Nacional da Tijuca. O local fica aberto para visitação todos os dias das 8h às 19h.

 

Pão de Açúcar

De onde é a vista mais bela da cidade? A disputa com o Cristo Redentor é tão acirrada que nem vale a pena ser feita. Quem acredita que a vista é mais linda do Pão de Açúcar, porque também pode ser visto o Cristo e a Praia de Copacabana, esquece que de lá não dá para ver o Pão de Açúcar.

Em resumo, você tem que ir para o Rio de Janeiro para visitar o morro Pão do Açúcar, localizado no bairro da Urca, às margens da Baía de Guanabara.

Vista panorâmica do alto do bondinho que dá acesso ao Pão de Açúcar.

Uma boa dica é realizar esse passeio próximo ao horário do pôr-do-sol, quando a paisagem fascina qualquer pessoa. Mas se preferir menos movimento, vá ainda pela manhã. Dá para combinar a visita com um dia na Praia de Copacabana.

 

Afinal, como chegar ao Pão de Açúcar?

Há três formas de chegar ao Pão de Açúcar. O mais comum é chegar ao bairro da Urca de ônibus, carro, táxi ou a pé. Não existe estação de metrô até o bairro. Depois escolha uma das opções para ir até lá.

1. De bondinho
A experiência incrível começa com o passeio de bondinho, saindo do bairro da Urca/Praia Vermelha. O primeiro teleférico sobe até ao Morro da Urca e, depois, o segundo chega ao Pão de Açúcar. O ingresso do passeio completo, que inclui o trajeto da volta, pode ser adquirido na bilheteria da estação a partir de R$ 120.
Crianças de até cinco anos não pagam entrada. Para evitar filas, há opções de compra de entrada no site oficial do bondinho.

2. Por excursões e tours fechadas
Várias empresas oferecem pacotes de translado até o Pão de Açúcar. Uma opção segura é fazer o percurso com os parceiros de onde você está hospedado. Por isso, escolha bem o hotel em que você tem que ficar no Rio de Janeiro.

3. Por trilhas
Para quem tem condições físicas de subir a serra, vale conhecer o Morro da Urca por meio de trilha durante a luz do dia. O trajeto por dentro da mata atlântica parte da Pista Cláudio Coutinho, também na Urca, até o topo do primeiro Morro da Urca. A caminhada dura, em média, 40 minutos. De lá é necessário pegar o segundo bondinho para chegar ao Pão de Açúcar.

Turistas passeiam de bicicleta perto do Aterro do Flamengo com vista para o Pão de Açúcar.

 

Cidade dos esportes

Jogar futevôlei em Copacabana, andar de bicicleta no Leblon, correr na orla da Barra da Tijuca, saltar de asa delta da Pedra da Gávea são apenas algumas das atividades físicas e esportivas comuns no Rio de Janeiro. A Cidade Maravilhosa é um destino para estar ao ar livre, sinônimo de cuidado com corpo e mente ao longo de lindas praias, parques e muita natureza.

 

Estádio do Maracanã

Até quem não gosta de futebol pode inserir o Estádio Jornalista Mário Filho, mais conhecido como Maracanã, no roteiro da viagem. Para os fãs da bola, o estádio é parada obrigatória. Fundado no ano da Copa do Mundo de 1950, o “Maraca” é um dos estádios mais famosos do mundo, palco de grandes momentos do futebol brasileiro e mundial. Aliás, foi lá que o jogador Pelé fez o milésimo gol de sua carreira.

Com capacidade para 78.838 torcedores, é o maior estádio do Brasil. Além de acompanhar partidas de futebol, o visitante pode conhecer vestiários, local de aquecimento dos jogadores, sala da coletiva de imprensa e até entrar no gramado. Imagina que grande emoção pisar onde a bola rola?

O Estádio do Maracanã recebe visitantes todos os dias das 9h às 16h30.

O passeio dura cerca de 40 minutos e acontece todos os dias. Os interessados podem optar pelo tour guiado, quando um grupo de visitantes percorrem o estádio a cada uma hora, das 9h às 16 horas. O preço do passeio é de R$ 65. Já a visita individual é feita em qualquer horário, entre 9h e 16h30. O preço é de R $55. Confira os preços e horários.

 

Morro Dois Irmãos, Mirante da Rocinha e Morro do Vidigal

Com 533 metros de altitude, o Morro Dois Irmãos está localizado entre os bairros do Leblon e São Conrado. As trilhas atraem vários adeptos da caminhada e de quem deseja contemplar a vista espetacular da cidade.
A trilha principal parte do Morro do Vidigal, passa pelo primeiro mirante, da Rocinha, maior favela da América Latina. Do local é possível admirar a arrebatadora vista da Pedra da Gávea.

Durante 40 minutos de caminhada entre trechos íngremes e outros suaves, o percurso de 1,5 km de extensão é considerado fácil. No entanto, a dica é contratar um guia local para realizar o trajeto. No alto do morro é possível ver uma das vistas mais incríveis da Zona Sul carioca. Vale muito a visita!

Do alto do Morro Dois Irmãos é possível ver do Botafogo ao Leblon.

 

Mirante Dona Marta

Outra trilha dentro do Parque Nacional da Tijuca leva o visitante para apreciar a vista panorâmica do Rio de Janeiro, inclusive o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar, a Lagoa Rodrigo de Freitas e o Maracanã. O Mirante Dona Marta fica em um morro de 350 metros de altura, com acesso grátis e meia hora de caminhada, depois de combinar com transporte público. Você só vai gastar o preço da passagem de ônibus, táxi ou Uber.

 

Jardim Botânico

Localizado no bairro de mesmo nome, no Jardim Botânico você encontrará belas árvores centenárias e plantas exóticas do mundo inteiro em uma área de mais de 500 mil metros quadrados. As palmeiras imperiais são algumas das espécies mais famosas de lá, lugar admirado em todos os cantos do planeta. Até pelo cientista Albert Einstein, em visita ao Rio.

Fundado em 1808 pelo rei de Portugal Dom João VI, o parque se tornou um importante centro de pesquisa e investigação de muitas espécies. Nesse refúgio verde, o visitante pode relaxar ao som dos pássaros, fazer uma caminhada tranquila, sentir o ar mais puro e aproveitar o frescor das sombras das árvores.

Vista das famosas palmeiras imperiais na floresta tropical do Jardim Botânico.

No interior do Jardim Botânico é possível percorrer espaços gratuitos, como o Sítio Arqueológico Casa dos Pilões, a antiga Fábrica de Pólvora e o Museu do Meio Ambiente. Para quem viaja com crianças, conta com parque infantil com vários brinquedos e espaço de conveniência para a família inteira.

A estação de metrô mais próxima é a do Botafogo. De lá é possível pegar táxi, Uber ou ônibus que passa na entrada do Jardim Botânico.

 

Do leme ao Pontal: confira as praias que você tem que ir no Rio de Janeiro

As praias são um dos principais motivos que arrastam multidões para o Rio. O mar sempre azul, ainda que a água seja um pouco fria, é delicioso para um mergulho refrescante nos dias de calor. Quem ama estender a canga e tomar a deliciosa caipirinha, não pode fugir das clássicas Copacabana, Ipanema, Leblon e Arpoador.

Reserve pelo menos um dia para curtir as praias mais vazias e cercadas por linda floresta, que vão da Barra da Tijuca, passando pela Prainha, Praia de Abricó (de nudismo) até chegar a Grumari.

Um passeio menos óbvio é velejar pela Baía de Guanabara ao pôr-do-sol. Além de ser bem gostoso, do barco você apreciará a vista da cidade por outra perspectiva. Normalmente, o percurso inclui passar pelo Forte São João e Forte Lage. Além da Praia de Adão e Eva, Morro do Morcego, Museu de Arte Contemporânea e Ilha da Boa Viagem. Desfrutar da vida a bordo de um veleiro custa a partir de R$170.

Nos passeios de vela é feita uma parada para banho de mar e servido lanche com frutas tropicais, sanduíches e caipirinhas.

 

Gastronomia na Cidade Maravilhosa

Quando visitar os prédios históricos do centro, como o Theatro Municipal, a Biblioteca Nacional e o Museu Nacional de Belas Artes, dê uma paradinha na Confeitaria Colombo, fundada em 1894. Tome café e coma um doce no deslumbrante prédio centenário, que fica na rua Gonçalves Dias, 32.

Também é no centro onde está localizada a Lapa, um dos melhores lugares do Rio para curtir samba e provar feijoada nos restaurantes e bares cariocas. Até mesmo debaixo dos arcos está montada alguma feirinha de comida de rua.

Para comer, a Casa Paladino é um bar simples e considerado Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro. No local, também funciona um armazém e mercearia com móveis e cristaleiras antigas que por si só da história do local, além dos pratos típicos cariocas, boas cervejas e cachaças. Fica na rua Uruguaiana, 224, também no Centro.

A dica do Bar Mineiro é boa. O boteco é sempre cheio de pessoas que não perdem a chance de beber cerveja gelada na calçada e comer feijoada aos sábados. Siga para a rua Pascoal Carlos Magno, 99, no Santa Tereza.

 

A Pequena África

Passe uma tarde na Pedra do Sal

Em todos os cantos do Rio de Janeiro, a herança da população afrodescente é presente. Mas se tem um lugar reconhecido como patrimônio material e imaterial dos negros é a Pequena África. No passado, essa zona portuária do centro do Rio era onde acontecia o mercado de escravos.

Depois da abolição da escravatura, os negros continuaram vivendo e trabalhando na região, principalmente nos bairros Saúde, Santo Cristo e Gamboa. O circuito turístico da Pequena África inclui o Museu de Arte do Rio (MAR), o Largo de São Francisco da Prainha, o Morro da Conceição, a Pedra do Sal, o Cais do Valongo, os Jardins Suspensos do Valongo e o Cemitério dos Pretos Novos.

Ruas, sobrados e praças da Pequena África preservam marcas da influência africana, como o grafite do Zumbi dos Palmares

No século XVII, o sal era utilizado como moeda no comércio e muito transportado naquela região, próxima a Praça Mauá e o Cais do Porto. Em referência ao período, hoje o ponto turístico “Pedra do Sal” é uma das rodas de samba mais famosas do Rio.

Localizada no Largo João da Baiana, aos pés do Morro da Conceição, no bairro da Saúde, a Pedra do Sal abriga vários eventos. Confira a programação.

 

Como chegar ao Rio de Janeiro?

Para chegar de avião ao Rio de Janeiro você vai precisar desembarcar no Aeroporto Santos Dumont, localizado na área central da cidade, ou no Aeroporto Internacional Tom Jobim – popularmente conhecido como Galeão – que fica a cerca de 20 km do centro.
Quem vai para a Barra, Zona Oeste, Angra dos Reis ou Petrópolis, o Galeão é a melhor escolha.

Para se locomover para qualquer outro ponto da cidade, se puder, escolha chegar pelo Santos Dumont. Ele é bem conectado, inclusive com o transporte público. Caso não existam voos diretos, dê uma olhada nas opções com conexão, de repente pode valer a pena.

Se você for de ônibus, o desembarque será na Rodoviária Novo Rio, que fica na região central, de onde você pode pegar transporte público, táxi ou Uber para diferentes zonas da cidade.

Pense duas vezes antes de ir de carro para o Rio de Janeiro, pois estacionar no Centro e na Zona Sul é bem complicado. Sem falar que na noite as blitzes de Lei Seca são muito frequentes. Sem conhecer a cidade, você pode acabar pegando caminhos perigosos.

O Rio de Janeiro é cheio de pontos turísticos e uma cidade com muita contradição, a exemplo das favelas em meio a tanta riqueza. Por tudo isso, é muito importante saber os lugares que você tem que conhecer no Rio de Janeiro e não se perder na grande quantidade de atrações. Aproveite para desfrutar da Cidade Maravilhosa com a 123Milhas!

Drones

inscreva-se para receber ofertas exclusivas!

inscreva-se para receber ofertas exclusivas!