Lugares para conhecer

O que fazer no Pantanal: atrações fantásticas no destino Patrimônio da Humanidade

Independente de qual passeio você escolha, seja por terra ou água, a biodiversidade do Pantanal, com suas atrações para ativar os cinco sentidos, apaixona os visitantes. Essa, certamente, é uma viagem para guardar na memória. Então, insira no seu roteiro as dicas sobre o que fazer no Pantanal.  

O Pantanal é tão grande que possui uma área maior que a Espanha. Do total, 60% desse território pertence ao Brasil. O restante fica dividido entre o Paraguai e a Bolívia. Essa região oferece inúmeros atrativos e experiências genuínas de contato com a natureza, graças à influência de três importantes biomas: Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica. 

Somadas as espécies de mamíferos, aves, peixes e répteis ultrapassam mil. A maior espécie encontrada entre elas é a onça-pintada. De acordo com o Portal Brasil Escola, o Pantanal também tem uma das maiores planícies inundáveis do Planeta, um reservatório de água doce com altitudes que alcançam 150 metros.  

Trilhas, safáris fotográficos, observação de animais, passeios de barco e a cavalo (ou o dia de peão) são alguns dos passeios imperdíveis no Pantanal

A riqueza da fauna e flora rendeu ao destino o título de Patrimônio da Humanidade e Reserva da Biosfera Mundial, ambos dados pela Unesco. Esse é um  bom lugar para todos conhecerem, inclusive mulheres que buscam viver aventuras em meio à exuberante natureza brasileira.  

O turismo na parte do Pantanal Mato-Grossense é reconhecido pela abundância da vida selvagem em uma área de aproximadamente 140 mil metros quadrados. Mais de 500 mil metros estão do lado do Pantanal no Mato Grosso do Sul.  

O Velho do Rio é um personagem folclórico criado por Benedito Ruy Barbosa para simbolizar uma espécie de guardião do Pantanal. Às vezes, aparece em forma de gente, às vezes como sucuri

Para quem pensa em programar uma viagem para o destino, o remake da novela “Pantanal”, que começa a ocupar o horário nobre da TV Globo no dia 28 de março, às 21h, é uma oportunidade interessante para aquecer o desejo em conhecer a região. Que tal visitar onde a novela está sendo gravada? Fica no entorno da cidade de Aquidauana, a 141 km da capital do Mato Grosso do Sul, Campo Grande. 

Confira o que fazer no Pantanal no guia abaixo.

 

Observação de onças-pintadas

O maior felino das Américas atrai turistas brasileiros e do mundo inteiro para o Pantanal. A melhor época para observar o mamífero se concentra na seca, de julho a outubro, na região de Porto Jofre, em Poconé, a 102 km de Cuiabá. Mas, com sorte, também é possível ver onça-pintada no período de cheia dos rios. 

Para chegar ao local, o ideal é pegar a rodovia Transpantaneira. Esse é um ótimo momento para percorrer o Pantanal Mato-Grossense devagar e ir observando a fauna da janela do carro ou ônibus. No ponto final está a localidade de Porto Jofre, onde há várias pousadas e ofertas de passeios de barco. 

É permitida a aproximação de até 10 metros da onça-pintada no Pantanal

 

Safári no Pantanal 

O disputado Safári no Pantanal é uma experiência única de grande contato com a vida selvagem local. A bordo de um veículo apropriado (jipe, caminhão ou picape aberto com barras de segurança), você adentra lugares pouco acessíveis por meio de trilhas ou caminhadas. A exuberância incrível da fauna e da flora típicas do destino ficam a poucos metros de distância dos hotéis. 

Jaguatiricas, capivaras, antas, corujas, jacarés, cervos e onça-pintada são alguns dos bichos que podem aparecer pelo caminho. Segundo a organização SOS Pantanal, o local conta com pelo menos 4.700 espécies, sendo 3.500 espécies de plantas, 650 de aves, 124 de mamíferos, 80 de répteis, 60 de anfíbios e 260 espécies de peixes de água doce. Alguns deles estão em risco de extinção.

Os passeios acontecem em diversas localidades e devem ser reservados  antecipadamente com agências de turismo especializadas em safári.  

O passeio ocorre observação dos animais silvestres regionais durante o dia, dentro de um veículo seguro, é chamado de Safári no Pantanal

O período com mais chances de visualizar veados, garças, capivaras e onça-pintada é durante o tempo de seca do Pantanal. Isto é, a melhor época para realizar um safári no Pantanal é entre os meses de abril e setembro. Em novembro também é possível observar mamíferos de várias espécies. 

 

Focagem Noturna

A focagem noturna, como o próprio nome já diz, são passeios que acontecem de noite. O maior objetivo da atividade é ver de perto alguns bichos que se escondem de dia. A focagem noturna tem uma vantagem em relação ao safári: é à noite que os animais saem em busca de alimento. 

Rico em biodiversidade como é, no Pantanal há muitas espécies de animais que possuem hábitos noturnos e, pensando nisso, a maioria dos hotéis e pousadas da região oferecem passeios nesse período. 

A focagem noturna no Pantanal é feita depois que o sol se põe e pode ser feita de barco, carro ou a pé

Os instrutores usam um holofote para focar animais que passeiam pela escuridão. Entre os bichos mais vistos durante o passeio estão antas, jacarés, capivaras, corujas, jaguatiricas e onças.

 

Lugares para conhecer no Pantanal?

Parque Nacional do Pantanal Mato-Grossense 

A vista aérea da região do Parque Nacional do Pantanal Mato-Grossense forma uma das imagens mais icônicas da paisagem pantaneira no Brasil

O Parque Nacional do Pantanal Mato-Grossense tem impressionantes 135 mil hectares de área total, no município de Poconé, a 102 km de Cuiabá. O local fica em um platô, a salvo de inundações, e conta com paisagens deslumbrantes.

Situado na confluência dos rios Paraguai e Cuiabá, por lá é possível fazer caminhadas, travessias, observação de fauna e até montar um piquenique nos pontos permitidos. A principal atividade de fato é a observação de animais silvestres a bordo de um barco. 

O “Tuiuiu” é uma ave colonial comum na Reserva do Parque Nacional e símbolo de todo o Pantanal

O Parque Nacional do Pantanal Mato-Grossense é uma importante área de preservação ambiental do bioma pantaneiro existente no Brasil. Surgiu a partir de uma reivindicação da sociedade local e da comunidade científica em setembro de 1981. 

A entrada para curtir as atrações do local é gratuita. Contudo, você vai precisar de autorização para realizar caminhadas ou trilhas. A pesca e a focagem noturna (observação) de jacarés são expressamente proibidas nesta região. 

Por rodovia, o acesso é feito pela MT-060, partindo de Cuiabá até Poconé, por 102 km em vias asfaltadas e continuando o percurso pela rodovia Transpantaneira. Por via fluvial, para chegar até o parque é preciso partir do Porto Jofre, às margens do rio Cuiabá, até o local. A navegação dura aproximadamente 4h.  

 

Centro Referencial da Cultura Terena / Museu do Índio 

Você sabe o que é a Cultura Terena? Os Terenas são povos indígenas que habitam áreas de dois estados brasileiros, São Paulo e Mato Grosso do Sul. 

Localizado na entrada da cidade de Miranda, o Centro Referencial da Cultura Terena busca ser um ponto de referência para exposição e comercialização da arte produzida pelo povo indígena assentado na região.

Potes e panelas de barro, esculturas de animais feitas de argila e madeira, cestaria com palha de taboa, milho e banana são algumas das peças que preenchem as salas do espaço. A visita é encantadora e promove a preservação desse tipo de artesanato originário do país. 

Além do mais, essa é uma maneira de levar para casa peças lindíssimas com a reprodução de espécies do Pantanal. Para chegar até o local partindo de Campo Grande, você deve seguir cerca de 200 km pela Rodovia BR-262 até o km 558 (Trevo Miranda). O Centro funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h. Abre aos sábados e domingos, das 8h às 18h. 

As peças disponíveis no Centro Referencial da Cultura Terena são produzidas com técnicas dos povos originários da região pantaneira, no Mato Grosso do Sul

 

Fazenda San Francisco 

Para fazer um passeio de chalana pelas águas do Rio Miranda, a Fazenda San Francisco é uma ótima opção. Essa é uma diversão garantida para toda a família. O local é superestruturado para realização de muitas atividades em ecoturismo. 

Além do passeio de barco, o safári fotográfico e a focagem noturna são as atividades que mais conquistam os visitantes. A região é muito rica em diversidade de espécies silvestres para observação, sobretudo, de felinos e de aves.

Por se tratar de um hotel fazenda privado, o ambiente ainda conta com restaurante e estábulo repleto de cavalos para caminhadas agradáveis no fim de tarde. O cenário total da Fazenda San Francisco é formado por campos abertos, vazantes, cerrados, corixos, rios e campos de arroz irrigados. Seis das oito espécies de felinos brasileiros registradas oficialmente na região do Pantanal vivem nessa área. 

Os preços das atrações são cobrados a parte e por isso não há necessidade de se hospedar no local. Adquira um passaporte day use por cerca de R$ 238 para o público adulto. O preço para criança é de R$ 165. O almoço ou jantar tem custo médio de R$ 70. 

A Fazenda San Francisco é um ponto estratégico no roteiro de quem visita Bonito e gostaria de fazer um bate e volta para as planícies alagadas do Pantanal. Aproveite a oportunidade e conheça o local. 

A Fazenda San Francisco, em Miranda MS, é um excelente local para a observação da vida silvestre, especialmente a de felinos e aves

 

Estrada Parque  

A Estrada Parque é um trajeto de aproximadamente 120 km de extensão onde se pode observar a vida selvagem pantaneira. O percurso cruza cidades importantes da região do Pantanal Sul Mato-Grossense, como Corumbá e Miranda. 

Na linda paisagem são avistados jacarés, capivaras, pacas, tamanduás, quatis, macacos, entre outros animais. O passeio pode ser feito acompanhado de um guia turístico responsável por identificar as espécies e encontrar mais pontos estratégicos para a observação.  

Mas também dá para percorrer a Estrada Parque de forma autônoma. Para isso, a preferência é alugar um veículo com tração nas quatro rodas e se preparar com mapas offline. Você levará cerca de 4 horas para concluir o caminho. Há restaurantes e pousadas para fazer paradas. 

Ao longo da Estrada Parque existem 71 pontes de madeira que se transformam em observatórios naturais da diversidade da fauna e flora pantaneira
Créditos: Reprodução / Ecoa

 

Como chegar ao Pantanal

Para visitar a área do Pantanal Norte, no Mato Grosso, desembarque no Aeroporto de Cuiabá. De lá, dirija-se pela Rodovia BR 070 até Cáceres e Poconé, locais com maior número de atrações e atividades para fazer na região pantaneira. Os lugares ficam a cerca de 3h (220 km) e 1h30 de viagem (104 km), respectivamente. 

Barão de Melgaço também é uma opção para visitar nesta área. O local está a 1h45 minutos de distância da capital. Para chegar lá, siga cerca de 109 km pela Rodovia MT 040. 

Já para o Pantanal Sul, pegue um voo até Campo Grande e depois siga pela Rodovia BR 262 até Corumbá, Aquidauana e Miranda. O primeiro trecho será até Aquidauana (168 km). Em seguida estão as cidades de Miranda (208 km) e Corumbá (452). Há ônibus disponível para todos esses municípios partindo da capital do Mato Grosso do Sul. 

Pronto para viajar para o Pantanal? A 123milhas ajuda  você a ficar mais perto das espécies fantásticas da savana alagada brasileira. Descubra agora os sabores magníficos e os melhores restaurantes do Pantanal.