Guia turístico

Tem que ir para Diamantina

Casarões coloniais, museus, ruas de paralelepípedo e muita riqueza histórica são alguns dos elementos que tornam Diamantina tão especial. Venha com a 123Milhas descobrir por que você tem que ir para Diamantina!

Esse destino faz parte da Estrada Real, famosa rota da Coroa Portuguesa para transportar ouro e diamantes. Que tal uma viagem que leve você ao passado, direto para o período colonial?

 

Catedral Metropolitana de Diamantina

A Igreja Matriz de Santo Antônio, mais conhecida como Catedral Metropolitana de Diamantina, fica no coração da cidade. Está localizada no lugar de um antigo templo, dedicado ao mesmo santo, construído no século XVIII. Dele, restou somente dois retábulos e alguns outros itens.

A arquitetura é em estilo barroco e o interior é bem simples, com poucos ornamentos. Como a construção é mais recente do que os outros principais locais da cidade, a catedral chama atenção pelo belo contraste dado ao cenário colonial.

A igreja homenageia Santo Antônio, o padroeiro da cidade.

 

Museu do Diamante

O Museu do Diamante fica em um antigo casarão colonial, onde morou o padre Rolim, uma figura importante da Inconfidência Mineira. O acervo possui diversas peças relacionadas à mineração de ouro e diamante e retrata o processo de ocupação da região.

O museu fica em um grande e antigo casarão colonial. Créditos: Museu do Diamante.

A visita ao museu é gratuita e pode ser feita de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.

 

Escola de Artes e Música Maestro Francisco Nunes

Um dos sobrados mais antigos do centro histórico, popularmente conhecido como Casarão dos Orlandi, foi restaurado e transformado na Escola de Artes e Música Maestro Francisco Nunes. O local também sedia a Orquestra Sinfônica Jovem de Diamantina e é lá que acontecem ensaios e apresentações.

Com a reforma, o espaço ganhou salas de ensaio e um grande salão com palco para performances, além de banheiros e lugares destinados à administração do local.

As visitas são gratuitas e acontecem de segunda a sexta-feira, das 14h às 18h.

O local era conhecido como Casarão dos Orlandi. Créditos: Prefeitura de Diamantina.

 

Mercado Velho

Para comer comidas típicas, comprar artesanato, experimentar doces e cachaças e conhecer melhor a cultura diamantinense, a dica é ir ao Mercado Velho. Funciona somente de sexta a domingo e geralmente tem música ao vivo à noite. Na sexta-feira, fica aberto das 18h às 23h. Aos sábados e domingos, você pode ir das 8h às 22h.

Todos os produtos são de fabricação local, tanto de Diamantina quanto de cidades próximas. A visita garante ouvir boas histórias de pessoas da região e entender as tradições.

Compre artesanato de produtores locais no Mercado Velho.

 

Restaurante Relicário

Pontos gastronômicos não podem faltar em um roteiro de viagem, certo? Uma indicação de lugar para aproveitar a deliciosa culinária local, com pratos típicos mineiros e combinações criativas é o restaurante Relicário.

Experimente o bolinho de feijoada recheado com couve e bacon! Créditos: Restaurante Relicário.

O cardápio seduz pela autenticidade ligada à tradição. Para a entrada, experimente o quiabo amanteigado com alho e bacon ou a linguiça artesanal com purê de maçã verde. Para o prato principal, que tal costelinha ao barbecue de tamarindos ou risoto de linguiça? Não se esqueça de pedir sobremesa. O petit gateau de pão de mel com doce de leite é um dos queridinhos da casa!

O Relicário abre de terça a quinta-feira, das 18h às 23h e às sextas vai até meia-noite. Aos sábados, funciona para o almoço, das 12h às 15h, e para o jantar, das 18h30 à meia-noite. Aos domingos, abre das 12h às 16h. Não deixe de ir!

Ficou com água na boca? Aproveite para saber tudo o que você tem que conhecer em Diamantina!