Guia turístico

Pantanal: reduto do ecoturismo brasileiro

Safáris fotográficos, observação de aves e passeios de barco e a cavalo marcam o turismo no Pantanal – maior planície alagável do planeta, com 150,3 mil km² de extensão (IBGE, 2004). O riquíssimo bioma se estende pelos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além de algumas áreas do Paraguai e da Bolívia. Já passou da hora de você visitar o Pantanal – um dos principais redutos do  ecoturismo brasileiro. 

O Pantanal tem mais de 250 espécies de peixes, 80 de mamíferos, 50 de répteis e 650 de aves

Para quem gosta de animais e natureza, o Pantanal é um prato cheio. E essa área gigantesca tem uma fauna riquíssima e uma flora exuberante, a ponto de ser considerada Patrimônio Natural Mundial pela UNESCO. 

Certamente você conhece ou sabe a respeito da exuberância da cidade de Bonito, no Mato Grosso do Sul. É um dos principais cartões-postais da região. Reduto de atrações como cavernas, passeios de rafting, mergulhos e cachoeiras, Bonito se tornou um dos melhores destinos de ecoturismo do país. Insira o município na sua rota. 

Como o Pantanal é uma área gigantesca, para facilitar o seu roteiro turístico é preciso conhecer as principais cidades divididas entre o Pantanal no Norte (Barão de Melgaço, Cáceres e Poconé) e no Sul (Aquidauana, Corumbá e Miranda). 

Por causa da grande extensão, é recomendável que o turista priorize uma só região pantaneira. Mas se a intenção é passar um mês no destino, insira as duas porções no trajeto.

A cidade de Corumbá, na fronteira com a Bolívia, é um dos pontos de partida com a melhor estrutura da região. Aproveite para visitar essa área cheia de beleza, segredos e histórias que renderam o pano de fundo da trama de uma das melhores novelas brasileiras

 

Novela Pantanal

“Pantanal” está no topo do ranking das novelas mais famosas do Brasil. Após 32 anos de sucesso com reprises no país e no mundo inteiro, a Globo vai trazer a nova versão da obra original de Benedito Ruy Barbosa no dia 28 de março, a partir das 21h30.

“Pantanal” marcou a história da TV brasileira em 1990 ao mostrar as paisagens belíssimas do Mato Grosso do Sul, que era pano de fundo da trama, e os animais selvagens da região. E o sucesso foi maior ainda com os personagens folclóricos como Juma Marruá (que se transformava em onça-pintada), o Velho do Rio (um curandeiro) e o peão Trindade (quem teria pacto com o diabo).

A versão original de Pantanal é considerada um dos maiores sucessos da teledramaturgia brasileira 
Crédito: IMDB

A novela “Pantanal” também virou uma lenda da teledramaturgia brasileira por ter desbancado a liderança incontestável da Globo, em 1990, com a transmissão feita pela extinta TV Manchete. Outro destaque foi inserir o debate ecológico na pauta de discussão da população, o que não era comum naquela época.

Sem dúvida, as imagens, as histórias e a cultura próprias do pantanal brasileiro e sua biodiversidade fortalecem a trama e colocam novamente a região no centro das atenções. O grande sucesso da década de 90 promete emocionar os saudosos da primeira versão e encher de expectativas quem não chegou a assistir à novela. 

Várias cenas do remake de Pantanal são gravadas no Mato Grosso do Sul 

Para quem não sabe ou não lembra qual é o enredo da novela Pantanal, a história conta a saga da família de José Leôncio, um peão de comitiva que chegou ao Pantanal com o pai, Joventino. Eles compraram uma fazenda e começaram a criar gado de corte e marruás – uma espécie de boi selvagem que vivia na região. 

Quem vai interpretar Juma Marruá no remake de Pantanal, a moça de beleza selvagem que vira onça, é a atriz paulista Alanis Guillen. Ela assume o papel da protagonista no lugar da atuação impecável de Cristiana Oliveira. 

Na nova versão, o local escolhido para gravar o cenário pantaneiro fica em uma área despovoada, a cerca de quatro horas da cidade mais próxima, Aquidauana – a 141 km da capital Campo Grande.  Ao redor tem apenas fazendas e natureza selvagem – uma região rica em rios e lagoas.

Neste post, saiba por que você tem que ir para o Pantanal

 

Melhor época para visitar o Pantanal 

Viajar para o Pantanal é uma boa escolha o ano todo. Mas, claro: dependendo da época, a experiência pode ser diferente e fazer você querer se programar para voltar mais vezes ao destino.  

O principal atrativo turístico do Pantanal de maio a setembro é observar os animais. Esses são os meses de seca. Com menos água em rios e lagos, várias espécies se aproximam das beiradas dos rios para matar a sede. Também é período de acasalamento de algumas aves. Então a região fica cheia de ipês-rosa e amarelo (sobretudo em agosto). A temperatura média é de 21 ºC.

Nos meses de chuva, que vão de outubro a maio, as paisagens pantaneiras ficam da forma como são mais conhecidas. Costuma chover muito forte entre dezembro e fevereiro. Para quem pretende circular de carro, somente os veículos 4×4 encaram os atoleiros nessa época do ano. A temperatura bate na casa dos 32 ºC.

 

Quanto custa ir para o Pantanal?

O valor da viagem para o Pantanal depende de vários fatores. É preciso saber se vai haver ou não a alta-temporada, cidades e atrativos turísticos que entram no pacote,… Uma boa opção é o pacote de viagem para o Pantanal que inclua transporte e hospedagem. 

Na 123milhas, você encontra passagens aéreas com desconto. Além de conseguir voos mais baratos para o Pantanal, muitos deles para os aeroportos de Campo Grande e Cuiabá, a companhia oferece hospedagens incríveis.  

 

Principais cidades do Pantanal

Corumbá 

Vários lugares turísticos no Pantanal podem ser acessados a partir de Corumbá. A cidade pantaneira também é conhecida pela sua localização: fica na tríplice fronteira com Bolívia e Paraguai. O município fica no Mato Grosso do Sul e tem 110 mil habitantes. Corumbá oferece inúmeras opções de lazer voltadas à natureza e ao ecoturismo. 

Junho é especial nesse destino, que pode ser sua base para conhecer o Pantanal. Quando as águas do Pantanal atingem seu nível máximo, Corumbá organiza o Arraial do Banho de São João – uma das mais importantes festas juninas do país. 

A exemplo do festejo que acontece em todo o Brasil, a cidade mantém o ritual de fazer o tradicional cortejo para o banho da imagem do santo no rio Paraguai. Essa festa é originada pela mistura do catolicismo e de religiões de matriz africana.

Corumbá tem a maior estrutura hoteleira da região e muitas festas populares

Para observar a natureza exuberante do Pantanal, uma boa maneira é cruzando os 120 km da Estrada-Parque, entre Corumbá e Miranda. A road trip inclui cem pontes para você cruzar. Também permite atravessar de balsa no rio Paraguai e ver de perto alguns animais do Pantanal. Insira também passeios de barco para você fazer uma viagem e tanto. 

Corumbá  recebe milhares de turistas para navegar pelo Rio Paraguai

 

Miranda 

A segunda maior população indígena de Mato Grosso do Sul está em Miranda. O município está a 220 km de Corumbá. Outros 65 km separam a cidade de Aquidauana – centro urbano mais próximo da área de seis fazendas onde são gravadas as cenas do remake da novela Pantanal. 

Um dos principais atrativos turísticos é a ponte metálica sobre o rio. O município tem vários prédios arquitetônicos que retratam os áureos tempos. Visite a Usina de Açúcar Santo Antônio, a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Carmo e a antiga estação da estrada de ferro – a primeira construída no Mato Grosso do Sul. 

Compre cestaria, potes e panelas de barro no Centro Referencial da Cultura Terena/Museu do Índio, em Miranda

Crédito: Centro Referencial da Cultura Terena

A pescaria também é um dos pontos fortes da cidade, que recebe turistas e pescadores do Brasil inteiro e de diversos países. Essa é uma cidade-base para quem quer conhecer o Pantanal. De Miranda dá para fazer o roteiro terrestre em direção a Corumbá. 

Relaxar e curtir a natureza nos rios que cortam Miranda é uma das principais atrações turísticas do Pantanal

Se você chegar ao Mato Grosso do Sul por Campo Grande, vá até Miranda a bordo do Trem Pantanal. O trajeto passa pela Serra do Maracaju, Serra da Boquena e muitas áreas com ipês coloridos. O caminho é rico em rios e cachoeiras surpreendentes. 

Poconé

A região do Porto Jofre fica no município de Poconé e está a 251 km de Cuiabá. É um dos locais no Brasil que mais recebem turistas estrangeiros. Grande parte deles escolhe o destino para conhecer o ecossistema e ver onças em seu habitat. Também é forte para birdwatching, termo em inglês para a prática de “passarinhar”. Nada mais é do que a atividade de contemplar, observar, registrar e catalogar aves avistadas em trilhas, florestas e parques.  

Outro programa nesse trecho do Pantanal exige disposição para acordar de madrugada e pegar a Transpantaneira antes de o sol nascer. A rota foi construída na década de 70 com o objetivo de unir turismo e transporte. Essa é uma passagem que liga a cidade de Poconé ao Porto Jofre, no Mato Grosso, ao longo 143 km de rodovia. 

O caminho revela as belezas do bioma: dá para ver jacarés na beira dos rios e revoadas de pássaros em meio a um cenário impressionante. Nessa localidade, vale visitar o Parque Nacional do Pantanal Mato-Grossense e o Parque Estadual Encontro das Águas. Faça um dia de safári e de passeios de barco. 

Os tuiuiús são o símbolo do Pantanal. Alguns hotéis, como o Araras Eco Lodge, em Poconé, oferecem estrutura e guia para grupos de observadores de aves

 

Observação de pássaros, répteis e mamíferos

Turistas do mundo inteiro vão até o Pantanal para contemplar a natureza e observar os animais. Leve binóculo

Durante o período de reprodução dos peixes, o maior atrativo turístico é o de contemplação. O carro-chefe do ecoturismo no Pantanal é a observação de várias espécies de aves (como tuiuiú e arara-azul), jacaré e onça-pintada.  

O Pantanal é referência no turismo de observação. Para quem é fã da prática, a região de Porto Jofre, em Poconé, é reconhecida internacionalmente como o melhor lugar do mundo para observar onça-pintada em seu habitat natural. O mamífero é visto durante passeios de barcos em rios do Pantanal. 

 

Passeios de barco 

O Pantanal é o lugar ideal para nadar e passear de barco. As opções de passeio incluem tour em uma chalana, embarcação típica da região, perfeita para navegar em rios pantaneiros. Mas há quem navegue por essas águas a remo e até sobre barcos luxuosos. Para conhecer o bioma de verdade e admirar jacarés e aves, embarque em um tour feito em barcos menores com barqueiros pantaneiros. 

Passeie em barcos com moradores experientes em observar animais 

Muitos fãs de pesca passam dias sobre as águas em barcos-hotel. Se possível, assista ao pôr do sol durante o passeio. Esse é um bom momento para assistir a apresentações artísticas regionais que acontecem lá mesmo. Outra atração são as peças de artesanato feitas de argila e andar de lancha e caiaque. Essa opção rende bons mergulhos. 

Vários deles partem do Porto Geral de Corumbá. Mas é fácil encontrar esse tipo de embarcação em portos espalhados pelo Pantanal. Outra opção é escolher viver o Pantanal com a programação do day use nos hotéis de ecoturismo. 

Os barcos-hotéis oferecem conforto e contato com a natureza      Crédito: Pantanal Vip

 

Pesca

É impossível ir ao Pantanal e não pescar. Siga a tradição pesqueira e percorra centenas de rios e afluentes desse paraíso brasileiro em busca de piranhas, dourados, pacus e outros. As águas do Pantanal são habitat de mais de 250 espécies de peixes. 

No Pantanal, a pesca acontece no ano inteiro, em época de seca ou de cheia

 

Viver a essência pantaneira 

Tire um dia para cavalgar e andar pelas áreas alagadas, experimentando a autêntica rotina do peão pantaneiro. O passeio costuma durar duas horas. Então programe-se para montar a cavalo de lado e guiar o gado em uma fazenda pantaneira. 

Várias fazendas oferecem passeios a cavalo para atravessar áreas alagadas e tocar o gado nas planícies do Pantanal

De malas prontas para conhecer os biomas com a maior diversidade da fauna do planeta? Conheça tudo sobre o que fazer no Pantanal