Guia turístico

Roteiro de viagem para 15 dias na Itália

Situada ao sul da Europa, a Itália é um país de clima temperado, banhado pelo mar Mediterrâneo.

Caracterizada por um misto de regiões planas e acidentadas, com destaque para os Alpes e Alpeninos, que nada mais são do que cadeias de montanhas com cerca de 1400 quilômetros de extensão, a Itália é um dos destinos mais desejados por turistas que desejam conhecer a Europa.

O país tem mais de 60 milhões de habitantes e é uma das economias mais desenvolvidas do continente, concentrada na indústria e no setor de serviços, em especial o turismo.

Por isso, se você tem vontade de conhecer o Coliseu, o Panteão, a Basílica de São Pedro, os canais de Veneza, a Catedral de Milão, as galerias de arte de Florença, a Torre de Pisa e outros pontos turísticos italianos, confira o nosso roteiro de viagem para 15 dias na Itália e explore o destino dos seus sonhos!

Por onde começar

O ideal é considerar, no mínimo, dois dias de deslocamento – que são necessários principalmente para sua chegada e regresso ao país. 

Lembre-se de seguir uma rota que faça sentido com a localização das cidades. Para não ficar dando voltas pelo país, estabeleça os pontos a serem visitados e verifique a distância. 

Neste guia para a Itália o caminho sugerido é Roma, Florença, Pisa, Milão e Veneza. Você também pode fazer o trajeto contrário. 

 

Roma

Roma é a capital da Itália. Cada cantinho tem um pouco de história e há muitos pontos turísticos para visitar. A sugestão é ficar quatro dias, sendo um para ir ao Vaticano. 

 

Coliseu

O Colosseo (em italiano) é certamente um dos lugares mais conhecidos. Foi um anfiteatro com capacidade para até 70 mil pessoas, construído em 72 d.C, e está na lista das Sete Maravilhas do Mundo Moderno. 

Você pode ir até lá para ver a fachada e tirar uma foto, mas também é possível entrar para explorar o interior. A atração abre diariamente, das 9h às 19h. E os ingressos estão disponíveis para compra com antecedência pelo site oficial, assim o turista evita filas e consegue agendar um horário. 

O ingresso custa € 24 (aproximadamente R$ 126,08). É um pouquinho mais caro do que adquirir na bilheteria, mas dá mais tempo para conhecer outras atrações. O mesmo ticket garante a entrada ao Fórum Romano e Monte Palatino. 

 

Fórum Romano 

Outro ponto imperdível. O Foro Romanum abriga várias construções do Império Romano e retrata um pouco da grandeza da época. Lá era o centro da vida política, religiosa, comercial e judiciária da cidade. 

Você verá ruínas de templos, basílicas, arcos, etc. E poderá usar o mesmo ingresso do Coliseu, mas pode contratar uma visita guiada na hora se quiser. O ponto turístico abre diariamente, das 9h às 19h. 

O ingresso do Coliseu é o mesmo do Fórum Romano

 

Monte Palatino

No Mons Palatinus estão as ruínas de construções da alta classe romana. Lá você encontrará palácios, templos, jardins, residências e até um estádio, entre outras construções. 

Há vestígios de como eram as decorações e ornamentos na época do Império Romano e até mesmo antes disso, pois acredita-se que já era habitado em 1000 a.C. A visitação acontece diariamente, das 10h30 às 19h. 

 

Panteão

Outro imponente templo romano é o Pantaleão. Suas medidas chamam a atenção, pois tanto o diâmetro quanto a altura têm 43,3 metros. 

No centro da cúpula há uma abertura que permite a entrada de luz natural, então é bom chegar cedo para conseguir apreciar a beleza do local. 

Lá estão expostos alguns reis, o pintor Rafael Sanzio e os arquitetos Baldassarre Peruzzi e Vignola. O acesso ao Pantheon é gratuito e acontece das 9h às 19h. 

 

Fontana di Trevi 

É a maior fonte de Roma, com 26 metros de altura e 20 metros de largura, localizada na fachada do Palazzo Poli

Você certamente verá várias pessoas jogando moedas na fonte, pois reza a lenda que, quem fizer isso, voltará à cidade. Caso você jogue duas, encontrará o amor com uma italiana ou italiano. Para casar com essa pessoa, deve atirar três. 

A Fontana di Trevi é bonita em qualquer horário do dia, mas ganha uma iluminação especial à noite que dá um visual deslumbrante. 

A Fontana di Trevi segue o estilo arquitetônico barroco

 

Museu Nacional Romano

O Museo Nazionale Romano é um conjunto de quatro museus com objetos de 500 a.C. a 300 d.C. Abre de terça a domingo, das 9h às 19h45. As unidades são: 

  • Palazzo Massimo alle Terme: com esculturas, moedas, afrescos, mosaicos e pinturas;
  • Palazzo Altemps: mostra a arquitetura renascentista de Roma;
  • Crypta Balbi: conta sobre a evolução da sociedade romana e as mudanças na paisagem urbana;
  • Termas de Diocleciano: tem uma construção funerária e duas tumbas decoradas. A edificação é do século II dC. 

Apesar de serem locais diferentes, um único ingresso dá acesso aos quatro. Custa € 12 (aproximadamente R$ 62,37). 

 

Arco di Costantino

Um arco triunfal de 21 metros de altura, construído para comemorar a vitória do imperador Constantino sobre Maxêncio, na batalha de 312. 

O Arco fica entre o Coliseu e o Monte Palatino e é um ponto que você tem que conhecer durante a viagem para a Itália

 

Vaticano 

O Vaticano fica situado em Roma, mas é uma cidade-estado independente. Bem pequena, tem apenas 0,44 quilômetros quadrados, então você consegue visitar tudo em apenas um dia. 

Lá está a Capela Sistina, conhecida principalmente pelo teto pintado pelo artista Michelangelo. A pintura é muito complexa e demorou quatro anos para ser executada, por isso vale reservar um tempo para admirá-la.

O templo abre de segunda a sábado, das 9h às 18h, mas a última entrada é às 16h. Não abre aos domingos, exceto no último dia de cada mês – quando a visita é gratuita. 

Para visitar, você precisa adquirir o ingresso que vale tanto para a capela quanto para os museus. A dica é comprar com antecedência no site para evitar longas filas. Custa € 17 (aproximadamente R$ 88,36). 

O mesmo ticket será usado para os museus do Vaticano, que incluem vários lugares como a Pinacoteca, o Museu Profano, Apartamentos Borgia, Salas Raphael, Galeria dos Mapas Geográficos, dentre outros. 

Os espaços abrem de segunda a quinta, das 10h às 20h (última entrada às 17h45). De sexta a sábado vai das 10h às 22h (última entrada às 19h45). Confira todos os locais

A Basílica de São Pedro é parada obrigatória no turismo da Itália. O prédio é muito grande e sua cúpula pode ser vista de todos os lugares de Roma. 

Recebeu o nome pois é lá que está enterrado São Pedro, que foi um dos doze apóstolos e também é considerado como o primeiro Papa. Funciona diariamente, das 7h às 18h30. 

A entrada à Basílica é gratuita, você paga apenas se quiser subir até a cúpula. Sem usar o elevador custa € 8 (aproximadamente R$ 41,58) e você precisa subir 551 degraus. Com o elevador paga € 10 (aproximadamente R$ 51,98) e sobe 320. 

Em frente à Basílica está a Praça de São Pedro. Lá é possível ver o Papa passando de papamóvel às quartas-feiras, por volta das 9h. É nesse dia que acontece a Udienza Generale, uma audiência que os fiéis têm a oportunidade de ouvir o Papa falando e abençoando os presentes ou objetos.

O convite é gratuito e há duas formas de pegar, ambas no Portone di Bronzo (Portão de Bronze), no próprio Vaticano. Vá no dia anterior, das 15h às 19h, ou no mesmo dia, das 7h às 7h30. Se for o seu plano, é bom separar a manhã toda para isso. Confira com antecedência a agenda papal foi a programação eventualmente pode ser alterada. 

Lembre-se de um detalhe importante: suas roupas devem cobrir os joelhos e ombros para conseguir entrar na praça. Decotes também não são permitidos.

Tire um dia em Roma para visitar o Vaticano

 

Dicas para Roma

  • Existe um cartão chamado Roma Pass que oferece uso ilimitado do transporte público, entrada gratuita em algumas atrações e desconto em outras. Há opções para 48h e 72h e custa a partir de € 32 (R$ 166,33). Você pode comprar pelo site, em museus ou pontos de informações a turistas. 
  • O transporte público de Roma é composto por metrô (chamado de metropolitana em italiano), bonde elétrico (tram ou VLT) e ônibus (pullman). O sistema é bem completo e consegue levar você a todos os lugares. No centro histórico é melhor fazer o percurso a pé, então invista em calçados confortáveis. 
  • O Aeroporto Internacional Leonardo da Vinci de Fiumicino (FCO) fica a 30 km do centro de Roma. A forma mais barata de fazer o trajeto é de ônibus. Custa € 6 ou € 11 (caso você já compre o bilhete para o retorno) e demora cerca de 55 minutos. Outra opção é o trem expresso, que custa € 14 e demora 32 minutos. Em ambos os transportes menores de quatro anos não pagam. 
  • Não gaste dinheiro comprando água. Existem muitas fontes de água potável gratuita espalhadas pela cidade. São chamadas de nasoni e você verá várias pessoas se abastecendo, pode pegar sem medo! Você dificilmente encontrará fontes que não são apropriadas para o consumo – nesse caso, haverá uma placa indicando com a frase “acqua non potabile”. 

 

Florença

Florença é a capital da região da Toscana e é considerada o berço do renascimento italiano. 

O destino garante a oportunidade de ver obras de arte famosas de artistas renomados como Michelangelo, da Vinci e Botticelli. 

Separe três dias para percorrer a cidade e aproveitar cada lugar. 

 

Galeria dos Uffizi

A Galleria degli Uffizi é o museu mais famoso de Florença e abriga o maior acervo de arte renascentista do mundo. Lá você encontra obras de artistas como Sandro Botticelli, Leonardo da Vinci, Michelangelo, Rafael Sanzio, Ticiano e Caravaggio.

É onde você pode visitar os dois quadros mais conhecidos de Botticelli: Primavera e O Nascimento de Vênus. 

A galeria abre de terça a domingo, das 8h15 às 18h30. O ingresso custa € 20. Menores de 18 anos não pagam. Para evitar filas, você pode comprar pelo site

A Galleria degli Uffizi é o museu mais famoso de Florença

 

Galeria da Academia

O famoso Davi de Michelangelo, feito em mármore e com 5,17 metros de altura, fica na Galleria dell’Accademia, junto com outras obras de arte. É o segundo museu mais visitado da cidade, ficando atrás apenas do Uffizi. Imperdível!

Abre de terça a domingo, das 9h às 18h45. O ingresso custa € 12. 

 

Igreja de Santa Croce

Que tal visitar as tumbas de figuras famosas como Michelangelo, Galileu Galilei e Maquiavel? 

Vá à Igreja de Santa Croce, o maior templo fransciscano do mundo. O local abre de segunda a sábado, das 9h30 às 17h, e aos domingos e feriados, das 14h às 17h. O ingresso custa € 8. 

 

Piazza del Duomo

A Piazza del Duomo reúne diversos pontos turísticos importantes de Florença como a Catedral, o Campanile de Giotto, o Battistero di San Giovanni e o Museo dell’Opera del Duomo

A Catedral de Santa Maria del Fiore, conhecida como o Duomo de Florença, chama a atenção pelo tamanho: são 160 metros de longitude e 43 metros de largura. 

Para subir à cúpula, é necessário ter fôlego pois são 463 degraus. O caminho é intenso, mas vale a pena. Cada degrau é diferente e recebeu uma decoração especial. 

A cúpula demorou 14 anos para ser feita e é obra do arquiteto Filippo Brunelleschi. 

A entrada à igreja é gratuita e acontece nos horários: 

  • segunda, terça, quarta e sexta: das 10h às 17h;
  • quinta: das 10h às 16h30;
  • sábado: das 10h às 16h45;
  • domingos e feriados: das 13h30 às 16h45.

A cúpula abre todos os dias, das 8h30 às 19h, e é necessário pagar € 20.

Outra subida famosa é do Campanile de Giotto. São 414 degraus e 84 metros de altura, que oferecem uma das melhores vistas da cidade. Funciona todos os dias, das 8h15 às 19h. 

O ingresso é o mesmo usado para acessar a cúpula e também garante o acesso ao Battistero di San Giovanni e ao Museo dell’Opera. 

A Catedral é conhecida como Duomo

 

Piazza della Signoria 

É lá que estão pontos turísticos famosos como o Palazzo Vecchio, Loggia dei Lanzi, a Fonte de Netuno e a Estátua Equestre de Cosimo I. 

A Loggia dei Lanzi é um dos locais mais interessantes. É um museu ao ar livre, cuja construção é do século XIV. Lá estão diversas esculturas renascentistas como O Rapto das Sabinas, Perseu com Cabeça de Medusa, Centauro Nesso, etc. 

É a praça mais animada da cidade, onde diversos artistas se apresentam, principalmente durante o verão. 

A Fonte de Netuno fica na Piazza della Signoria

 

Ponte Vecchio 

A Ponte Vecchio ganhou fama pelos cadeados colocados por casais, que trancavam e jogavam a chave no rio como prova do amor eterno. A prática não é mais autorizada pois a estrutura estava sendo prejudicada, mas o local continua sendo famoso. 

A construção tem vários arcos medievais e abriga várias lojas, principalmente joalherias. Garante uma bela vista da cidade, principalmente à noite, quando ganha uma iluminação especial. 

A Ponte Vecchio passa sobre o Rio Arno

 

Jardins de Boboli 

O Giardino di Boboli é a maior área verde da cidade, com 45 mil metros quadrados. Além de muitas plantas, também abriga esculturas, fontes, grutas, pérgulas, um lago e um anfiteatro. Reserve ao menos 2h para passear. O ingresso custa € 10. Confira o funcionamento:

  • Janeiro, fevereiro, novembro e dezembro: das 8h15 às 16h30;
  • Março e outubro: das 8h15 às 17h30;
  • Abril, maio e setembro: das 8h15 às 18h30;
  • Junho, julho e agosto: das 8h15 às 19h.

 

Dicas para Florença 

O cartão Firenze Card permite o acesso gratuito às principais atrações da cidade, muitas delas com direito à fila rápida. Alguns locais exigem o agendamento prévio, então é bom conferir no site

Custa € 85 e tem duração de 72h. Caso você queira adicionar o uso ilimitado de transporte público, cobra-se € 7. O Firenze Card tem uma grande vantagem: menores de 18 anos que estejam acompanhados por um adulto portador do cartão não precisam pagar para entrar nos pontos turísticos. 

 

Pisa

Pisa também fica em Toscana e é conhecida pela torre inclinada. É uma cidade bem pequena e você consegue conhecer em apenas um dia. 

Como fica pertinho de Florença, a dica é fazer um bate e volta. O trajeto pode ser feito de trem e custa a partir de € 8,70. Confira os preços e horários

A Torre de Pisa é um campanário

 

Piazza dei Miracoli

Os principais pontos turísticos estão localizados na Piazza dei Miracoli (Praça dos Milagres). É lá que está a Torre de Pisa. Você pode conhecer o exterior e tirar uma foto criativa com o monumento, mas também é possível entrar. Se quiser fazer isso, terá que comprar com antecedência, pois só podem entrar 30 pessoas ao mesmo tempo e é bem concorrido. Abre todos os dias, das 9h às 19h. 

Não há ingresso exclusivo para a Torre. Você pode comprar o que garante o acesso a todos os pontos turísticos da praça (€ 27) ou para visitar a catedral e a torre (€ 20). Saiba mais no site.

Um ponto importante sobre a subida à Torre é que você deve deixar todos os seus pertences em escaninhos do próprio monumento. É gratuito, mas não cabe mochilas grandes ou malas. 

A Catedral, mais conhecida Duomo di Pisa, é outro lugar que vale a visita. Segue o estilo arquitetônico Romântico Toscano e conta com pinturas, mosaicos, afrescos, etc. Abre diariamente, das 9h às 19h. 

O Batistério e o Camposanto Monumentale (Cemitério Monumental) fazem parte do complexo, que foi declarado patrimônio mundial da Unesco em 1987. Também merecem a visita! 

A Catedral, o Batistério e o Camposanto fazem parte do complexo turístico de Pisa

 

Muralhas medievais

Caminhe sobre a Mura di Pisa! São 3 km de extensão e oferece uma visão diferente da cidade. Foram construídas em 1154, mas passaram por mudanças ao longo do tempo. 

O passeio pode ser feito de sexta a domingo, das 10h às 18h. Custa € 3. Confira mais informações no site oficial.  

 

Dicas para Pisa

Há duas estações de trem em Pisa: a Centrale e a S. Rossore. A primeira é a maior e a principal, com maior fluxo de viagens. 

Fica aproximadamente a 30 minutos da Piazza dei Miracoli, então você terá que andar um pouco. A segunda fica a apenas cinco minutos dos pontos turísticos, mas recebe menos trens. 

Você deve escolher a estação no momento de comprar, então preste atenção nos nomes e no momento de desembarcar. 

 

Milão

Conhecida como a capital mundial da moda, Milão se destaca na cena fashion. Mas também é um ótimo destino turístico para quem não é tão ligado a roupas ou grandes marcas. Para conhecer a cidade, o ideal é reservar no mínimo dois dias. 

 

Catedral de Milão

Mais conhecida como Duomo di Milano, a catedral fica na Piazza del Duomo.  É uma das maiores igrejas católicas do mundo, com 157 metros de comprimento, 11 mil metros quadrados e capacidade para 40 mil pessoas. 

O interior conta com 3.400 estátuas, 135 gárgulas e 700 figuras e é parada obrigatória para os turistas.

O terraço é uma das partes mais visitadas e oferece uma vista deslumbrante da cidade. É lá que estão quase todas as esculturas, incluindo a Madonnina (com 108,5 metros de altura), que representa a Virgem Maria

A Catedral abre diariamente, das 9h às 19h. A entrada custa € 5. Caso você queira subir ao terraço, sai a € 14 para usar o elevador e € 10 com acesso pelas escadas (são 201 degraus). 

A Duomo di Milano é parada obrigatória em Milão

 

Galleria Vittorio Emanuele II

Outro passeio imperdível é a Galleria Vittorio Emanuele II, onde estão  lojas de luxo como Prada, Gucci e Louis Vuitton, e restaurantes sofisticados como Savini, SI Ristorante e Biffi Caffè. Por mais que você não vá comprar nada, vale a pena conhecer. 

A estrutura é formada por dois arcos e teto de vidro e ferro. A cúpula tem 47 metros de altura e 39 de diâmetro! Uma das abóbodas se destaca por um mosaico que representa a Ásia, África, Europa e América. 

 

Igreja de Santa Maria delle Grazie

Para ver A Última Ceia (L’Ultima Cena), uma das pinturas mais famosas de Leonardo da Vinci, você deve ir à Igreja de Santa Maria delle Grazie. É necessário comprar os ingressos com antecedência, pois só é permitida a entrada de 25 pessoas a cada 15 minutos e o fluxo de visitantes geralmente é grande. 

O site oficial para adquirir é o Viva Ticket. O bilhete custa € 15 e você já compra selecionando a data e o horário desejados. A recomendação é chegar no mínimo 30 minutos antes. 

O local onde fica o afresco se chama Museo del Cenacolo Vinciano e abre de terça a sábado, das 8h15 às 19h, e aos domingos, das 14h às 19h.

 

Pinacoteca di Brera

A Pinacoteca di Brera abriga uma vasta coleção de artistas italianos do século XIV ao XX. Você verá pinturas de nomes como Rafael, Mantegna, Tintoretto, Caravaggio, Veronese, Bramante, etc. 

O local abre de terça a domingo, das 8h30 às 19h15, com última entrada às 18h. O ingresso custa € 15.

 

Castelo Sforzesco

O Castelo Sforzesco é um lugar em Milão que vale a pena visitar. Além de apreciar a arquitetura e o pátio central, você também pode conhecer os museus que ficam no interior como o da Arte Antiga (com frescos da família Sforza e esculturas da Antiguidade, Idade Média e Renascimento); Egípcio (com estátuas, sarcófagos, múmias e máscaras funerárias), do Móvel (com criações do século XV ao XX), etc. 

A entrada ao castelo é gratuita e acontece diariamente, das 7h às 19h30. Para acessar os museus, cobra-se € 10. O funcionamento é de terça a domingo, das 9h às 17h30.

Quem gosta de museus deve incluir o Castelo Sforzesco no roteiro

 

Dicas para Milão

  • O transporte público de Milão é composto por ônibus, metrô e bondinho. O mesmo bilhete, chamado ATM, serve para todos. O simples dura 90 minutos e custa € 1,50. Para 24h de acesso, você paga € 4,50 e € 8,50 para 48h;
  • Os ATM podem ser comprados em estações e bancas de jornal;
  • O melhor meio de transporte é o bonde, pois tem 18 linhas e roda das 4h30 às 2h30. Além disso, permitem que você aprecie a paisagem durante o caminho;
  • Lembre-se de validar seu ticket sempre que entrar no transporte.

 

Veneza 

Veneza, conhecida pelos canais e pontes, é um destino que você não pode deixar de fora da lista quando viajar para a Itália. O ideal é separar três dias para realizar os passeios e desbravar a ilha. 

 

Praça de São Marcos

A Piazza San Marco chama a atenção pelo tamanho: 180 metros de comprimento e 70 de largura. Ao seu redor estão diversos edifícios importantes como a Basílica e o Palácio Ducal. 

A Basílica di San Marco é o templo mais famoso de Veneza. Foi construída no século IX para guardar o corpo de São Marcos, um dos evangelistas. Seu interior é decorado com mosaicos de ouro, o que garante um visual muito bonito. 

No interior você encontra ainda o Pala d’Oro, onde estão guardados tesouros e peças valiosas da igreja como pedras preciosas, pinturas, ouro e prata. 

A entrada no local é gratuita, mas é necessário pagar € 2 (aproximadamente R$ 10,20) para ver esses itens. 

A basílica funciona de segunda a sábado, das 9h30 às 17h. Aos domingos abre das 14h às 16h30, de novembro a junho, e das 14h às 17h durante o  ano.

Ao lado da igreja está o Pallazo Ducale (Palácio Ducal), uma obra-prima da arquitetura gótica veneziana, construída entre 1309 e 1424. No passado, era a residência dos Doges (dirigente máximo da República de Veneza) e sede do governo. 

Existe um “tour secreto” pelo palácio, que acontece junto com um guia especializado e com um itinerário especial. É necessário agendar com antecedência pelo site. Acontece em três idiomas diferentes ao longo do dia:

  • em italiano: às 10h35, 11h35 e 13h35;
  • em inglês: às 10h15, 11h15 e 12h15;
  • em francês: às 10h55, 11h55 e 12h55. 

O passeio dura aproximadamente 1h15 e custa € 28 (aproximadamente R$ 142,43), com preços reduzidos para idosos, estudantes e crianças. Caso você opte por fazer o passeio sem guia, também é necessário comprar o ticket (que custa € 26) e fazer a reserva pelo site. Funciona diariamente, das 9h às 18h.

Também na praça, visite o Campanile (campanário). Tem 98 metros de altura e permite uma visão diferenciada da cidade. É lá que fica a torre do sino e o local já foi usado por Galileu Galilei para estudar o céu. Abre diariamente, das 9h30 às 17h15. O ingresso custa € 10. 

A Torre Dell’Orologio (Torre do Relógio) também é parada obrigatória. Foi construída no século XV e conta com um relógio astronômico, que exibe os signos do zodíaco, fase da lua e a data. As visitas são guiadas e também há três opções de idiomas. 

  • em italiano: de quinta a domingo às 15h;
  • em inglês: de sexta a sábado às 14h;
  • em francês: de quinta a sábado às 14h. 

O ingresso custa € 12 e você pode agendar pelo site.  

A Piazza San Marco abriga pontos turísticos famosos de Veneza

 

Grande Canal

O Grand Canal é o mais importante de Veneza e funciona como a avenida principal da ilha. Tem 4 km de extensão e pode ser atravessado por vaporetto (ônibus aquático) e traghetto (gôndola) ou cruzado a pé, pelas pontes Rialto, da Academia, da Ferrovia e da Constituição.

A melhor forma de conhecer o Grand Canal é pegando a linha 1 do vaporetto. Você verá edifícios famosos como o Palácio Ca’ d’Oro, a Galeria da Academia e a Igreja Santa Maria della Salute. Pegue o transporte na Piazzale Roma para percorrer toda a via. 

O Grand Canal pode ser atravessado de vaporetto ou traghetto

 

Riva degli Schiavoni

A Riva degli Schiavoni é um calçadão localizado à beira da Lagoa de Veneza. Caminhando por ele você verá vários bares, restaurantes, barraquinhas de artesanato e hotéis luxuosos – como o Danieli, que aparece no filme O Turista (2010), protagonizado por Angelina Jolie e Johnny Depp.

 

Libreria Acqua Alta

A Libreria Acqua Alta foi considerada uma das livrarias mais bonitas do mundo pela BBC e pelo The Telegraph e você não pode deixar de conhecer! Fica bem no nível do canal, então você verá traghettos passando ao seu lado. 

É praticamente subaquática e os funcionários sobem os livros para estantes mais altas quando o nível da água sobe. Alguns exemplares estão dispostos em barcos, gôndolas ou banheiras, de modo que ficam seguros da água. 

Abre diariamente, das 9h às 19h30. A entrada é gratuita. 

Ao invés de ruas e avenidas, Veneza tem canais

 

Dorsoduro

O distrito mais charmoso da ilha é o Dorsoduro. Lá você encontra a Ponte dell’Accademia, que atravessa o Grand Canal, e duas grandes galerias de arte: a Galleria dell’Accademia (onde está o Homem Vitruviano, de Leonardo da Vinci) e a Collezione Peggy Guggenheim. Também é onde está a Basilica de Santa Maria della Salute e o Palazzo Ca Rezzonico

A Ponte dell’Accademia é uma das mais famosas de Veneza

 

Dicas para Veneza

  • Veneza é composta por seis distritos, chamados de sestieri em italiano: San Marco, Castello, Cannaregio, Santa Croce, San Polo e Dorsoduro;
  • Para se locomover pela ilha, a dica é comprar o cartão ACTV, que dá acesso ilimitado ao vaporetto e ao ônibus tradicional. Há opções com validade para 75 minutos (€ 7,50), 24 horas (€ 21), 24 horas (€ 30), 72 horas (€ 40) e sete dias (€ 60). Você pode comprar pelo site ou nas estações. Lembre-se de validar o bilhete todas as vezes que entrar no transporte;
  • O City Pass é uma boa opção para quem pretende visitar vários pontos turísticos, pois garante acesso gratuito em alguns ou descontos. Custa a partir de € 21,90 (R$ 111,06). Compre pelo site.

 

Guia de viagem para a Itália

Quanto custa uma viagem para a Itália?

O preço de uma viagem para a Itália depende de quanto tempo você vai ficar, a época pretendida, pontos turísticos e tipo de passeio que pretende fazer. 

Um viajante de luxo gastará bem mais que aquele que optar por fizer um mochilão, mas há roteiros com preços intermediários. 

O maior gasto será no transporte aéreo. Na baixa temporada, é possível encontrar passagens a partir de R$ 3 mil. Na alta, os preços sobem e ficam a partir de R$ 5 mil. 

Outro gasto é com hospedagem. Os hotéis simples têm diárias a partir de R$ 300. Para quem quer economizar, a dica é apostar em hostel, que têm preços mais em conta. 

Nos dias de viagem você deve considerar alimentação, transporte e atrações turísticas. A média é de R$ 400 para uma estadia confortável, usando transporte público e fazendo refeições em restaurantes. Para gastar menos que isso, você pode apostar em comprar ingredientes em supermercados para preparar alguns lanches ou pratos. 

Lembre-se de incluir o seguro-viagem no orçamento. A cotação muda de acordo com o número de diárias e idade dos passageiros. Para um passeio de 15 dias de uma pessoa adulta, por exemplo, custa a partir de R$ 431,37. Faça a cotação

 

Qual a melhor época para viajar para Itália?

A alta temporada corresponde ao verão europeu e vai de junho a agosto. É a época em que as cidades ficam mais cheias e os preços sobem, pois coincide com as férias escolares da Europa. Se você tem maior flexibilidade, a dica é evitar esse período. Considere que os valores também sobem entre o Natal e o Ano-Novo.

Para aproveitar a Itália com um clima agradável, a dica é ir durante a primavera, que vai de março a junho. Não estará tão frio, mas é bom levar um agasalho para garantir. Além disso, as cidades ficam enfeitadas de flores e ganham um novo charme. 

O outono também chama a atenção pois os cenários ganham tons de laranja, amarelo e vermelho. Você precisará de algumas roupas de frio, mas não tão pesadas quanto para o inverno. 

A Itália é colorida por flores na primavera

 

O que saber antes de viajar para a Itália? 

  • A moeda usada é o euro.
  • O fuso é de 4h a mais do que no horário de Brasília.
  • Brasileiros não precisam de visto para entrar na Itália e podem permanecer por até 90 dias como turistas, desde que o passaporte esteja no prazo de validade. Porém é necessário solicitar uma autorização eletrônica chamada ETIAS, que custa € 7 e vale para toda a Europa. Saiba mais. 
  • Leve alguns documentos para apresentar na imigração e comprovar que você irá a turismo. A passagem de retorno, reserva de hotéis e ingressos de atrações turísticas são alguns exemplos. 
  • O seguro-viagem é obrigatório.
  • As fronteiras foram reabertas para brasileiros, mas é necessário apresentar o Formulário Digital de Localização de Passageiros (PLF) e a certificação de vacina ou teste negativo da Covid-19.
  • Os transportes mais baratos e práticos para viajar pela Itália são trem e ônibus.
  • Leve sapatos confortáveis e bons para caminhar bastante. 

 

Distância entre as cidades

  • De Roma a Florença: a viagem de trem dura cerca de 1h40;
  • De Florença a Milão: a viagem de trem dura cerca de 2h;
  • De Milão a Veneza: a viagem de trem dura cerca de 3h.

Aproveite para conferir quais objetos são essenciais para viajar ao exterior.