Guia turístico

Tem que ir para a Estrada Real (Parte 2)

A Estrada Real é uma das grandes riquezas históricas, culturais e artísticas de Minas Gerais. O caminho foi criado pela Coroa Portuguesa, durante o período colonial, para a exploração de ouro e diamantes. É uma das maiores rotas turísticas do Brasil, com cerca de 1.600 quilômetros e 177 cidades, sendo 162 em Minas Gerais. Dentre as mais famosas, estão Tiradentes e Diamantina, dois destinos incríveis e com muitas atrações. Descubra com a 123Milhas porque você tem que ir para a Estrada Real. Vem com a gente?!

 

Tiradentes

 

Tiradentes é uma cidade histórica.

 

A cidade de Tiradentes, a 190 quilômetros de Belo Horizonte, já foi chamada de Arraial Velho de Santo Antônio e Vila de São José do Rio das Mortes. Este destino é conhecido, principalmente, pelos festivais culturais, como de cinema e de fotografia, por exemplo. Além disso, é uma referência da arquitetura barroca e é associada à Inconfidência Mineira

 

Festivais

 

Os festivais de Tiradentes são muito famosos, e atraem pessoas de todo o Brasil e até do exterior. Os principais são a Mostra de Cinema, Festival de Fotografia, Mostra de Teatro e Festival Cultura e Gastronomia. 

 

A Mostra de Cinema acontece desde 1997 e é totalmente gratuita. O evento acontece sempre em janeiro, e conta com a exibição de longas e curtas-metragens nacionais. Qualquer produtor nacional pode se inscrever para a seleção, sendo um grande incentivo para o cinema nacional. Juntamente com a exibição de filmes, o festival apresenta mesas de debate, oficinas, palestras e apresentações musicais. 

 

Créditos: Mostra de Cinema // A Mostra de Cinema incentiva o cinema nacional.

 

O Festival de Fotografia é realizado desde 2010, e é palco de exposições, workshops, debates, projeções de fotografias, palestras e atividades educativas voltadas para a comunidade local. Também é gratuito. Geralmente, acontece no mês de março. 

 

Já a Mostra de Artes Cênicas de Tiradentes teve sua primeira edição em 2013, e tem o teatro como protagonista. Também é gratuito, além das apresentações, tem palestras de oficinas. Grupos de teatro de todo o país, e alguns estrangeiros, participam do festival. É realizado anualmente no mês de maio. 

 

Outro famosíssimo é o Festival Cultura e Gastronomia, que está em sua 24ª edição. É marcado para o mês de agosto, mas, em algumas ocasiões, pode mudar. É um dos maiores festivais da cidade, e invade as antigas ruas de pedra e casarões coloniais com aromas, sabores e atrações culturais. Ele envolve a cidade inteira, e todos os restaurantes montam um cardápio ou fazem pratos exclusivos para a ocasião. O festival recebe grandes chefs, dá destaque a produtos regionais e promove a culinária mineira. No âmbito cultural, há muitas apresentações de música, dança e teatro. Além disso, são realizados workshops e oficinas na área da culinária. É considerado o maior e mais tradicional festival de gastronomia do país. 

 

Caso você tenha interesse em algum desses festivais, a dica é se planejar e fazer a reserva da hospedagem, pois a cidade fica bem cheia. 

Centro Histórico

 

Casas coloniais do centro histórico.

 

O Centro Histórico de Tiradentes é onde está concentrada grande parte do turismo e gastronomia da cidade. Só andar pelas ruas e observar os casarões já é um passeio maravilhoso. Todavia, você ainda pode visitar vários pontos históricos. 

 

Tiradentes tem várias igrejas com arquitetura marcante e presença imponente. A principal, e mais antiga, é a Igreja Matriz de Santo Antônio. A edificação tem traços do barroco e do rococó. Com data da construção incerta, a estimativa é que tenha começado por volta de 1710. A estrutura está muito preservada, e o templo foi tombado como patrimônio nacional. 

Igreja Matriz de Santo Antônio.

 

Outra igreja importante é a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. Ela foi construída para que os escravos pudessem frequentar, pois, não podiam entrar nos templos dos senhores. No interior, há a imagem dos quinze mistérios do Rosário, muito importante para o catolicismo. A arte seria de autoria de Manoel Victor de Jesus, um artista negro que decorou várias igrejas da cidade. 

 

Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos.

 

Os Passos da Paixão de Cristo também são uma grande atração pela arte, arquitetura e história. Os passinhos são pequenas capelas que mostram os momentos finais da vida de Jesus. As construções começaram em 1729, e vêm de uma tradição medieval trazida pelos portugueses. 

 

A praça mais famosa e movimentada de Tiradentes é a Praça Largo das Forras. É um ótimo ponto de partida para começar os passeios pelo centro histórico. Ao seu redor, estão diversos bares, restaurantes e lojas. Uma das atrações mais tradicionais é o passeio de charrete, que leva os visitantes pelos principais pontos da cidade. Você encontra os charreteiros nesta praça. Geralmente, é muito popular entre as crianças. 

Museus e construções históricas

 

Além de diversas igrejas, Tiradentes também tem uma série de museus para você visitar. O Museu de Sant’Ana fica instalado na antiga cadeia pública. Ele expressa os sentimentos e religiosidade do povo brasileiro e tem um grande acervo de artes de Sant’Ana, a protetora dos lares, famílias e mineradores. 

 

No total, são 219 obras de arte, de várias épocas, regiões, técnicas e artistas. O museu fica aberto diariamente, das 10h às 18h, com exceção de terça-feira. Os ingressos custam R$10, com opção de meia entrada. 

 

Créditos: Museu de Sant’Ana // O acervo tem mais de 200 peças.

 

O Museu Padre Toledo também é parada obrigatória. Foi a casa onde morou Padre Toledo, figura ativa na Inconfidência Mineira. O espaço preserva os detalhes da época, com forros pintados, móveis, adornos e imagens. As visitas são feitas de terça a sexta-feira, das 10h às 17h, sábado de 10h às 16h30 e domingo de 9h às 15h. Os ingressos também custam R$10 e têm meia entrada. 

 

Créditos: Governo de Minas // Padre Toledo participou da Inconfidência Mineira.

 

Outra ótima atração para quem gosta de arte e cultura é o  Museu da Liturgia. Com um acervo de arte sacra dos séculos XVIII a XX, usadas nas procissões, é o único museu da América Latina dedicado ao tema. São mais de 420 peças, abrigadas em uma casa paroquial da Igreja Matriz de Santo Antônio. O museu fica aberto às segundas, quintas, sextas e sábados, das 10h às 17h, e aos domingos das 10h às 14h. O valor também é R$10, com opção de meia entrada. 

 

Crédito: Governo de Minas // O acervo do Museu da Liturgia tem mais de 420 peças.

 

Gastronomia

 

Sendo a casa do maior festival de cultura e gastronomia do país, é claro que Tiradentes é um destino com um espaço especial nos corações dos amantes da culinária. Com comidas bem tradicionais de Minas Gerais, os restaurantes oferecem pratos como frango com quiabo, angu, feijão-tropeiro, tutu de feijão, dentre outros. 

 

Um restaurante que se destaca pelo tutu com costelinha e lombo é o Viradas do Largo. Especialista em comida mineira, mas com um toque de originalidade, este estabelecimento usa ingredientes da horta própria. Os pratos têm uma linda apresentação e são de dar água na boca. 

 

Créditos: Viradas do Largo // O tutu com costelinha e lombo é muito popular.

 

Outra dica gastronômica é o Pau de Angu. Com direito a forno a lenha e decoração rústica, oferece uma comida saborosa num ambiente aconchegante. Para quem quer experimentar de tudo, a dica é pedir o prato Clássico Mineiro. Vem com arroz, tutu, angu, tropeiro, couve, batatas coradas, costela de porco, lombo e pernil. Delícia!

 

Créditos: Pau de Angu // Ambiente aconchegante e comida saborosa

 

Não podemos esquecer dos doces! O Chico Doceiro é um dos mais tradicionais. A loja existe desde 1965 e tem uma produção muito variada. Os doces de leite são um sucesso, e você pode experimentá-lo cremoso, em barra, no canudinho e até mesmo com cocada! A goiabada, o doce de figo e o doce de laranja também são muito requisitados. 

 

Créditos: Chico Doceiro // Experimente a cocada de doce de leite.

 

Uma dica gastronômica para os amantes de doce é o Rocambole Lagoa Dourada, um dos mais famosos de Minas Gerais. A cidade, Lagoa Dourada, fica a 40 quilômetros de Tiradentes, mas você pode encontrar esta sobremesa em padarias e lojas do nosso destino. Com a massa fofinha e recheio de doce de leite bem cremoso, é melhor abrir espaço na barriga e na bagagem. 

 

Artesanato

 

Tiradentes também é um ótimo lugar para comprar artesanato e móveis rústicos. Para quem gosta de madeira de demolição, é um verdadeiro paraíso. Peças de barro, bijuterias feitas à mão, brinquedos lúdicos e educativos, pinturas e esculturas também são encontradas.

 

Além de serem artigos lindos, geralmente são únicos ou com produção bem limitada, então com certeza sua casa será decorada com peças muito especiais e exclusivas. 

 

Artesanato de Tiradentes.

Diamantina

 

A cidade de Diamantina foi fundada em 1713.

 

Diamantina também é uma ótima parada da Estrada Real. A cidade ganhou fama pelas pedras preciosas, como diamantes. Também por ser a terra de personalidades marcantes, como Chica da Silva e Juscelino Kubitschek. Este destino oferece um roteiro cultural muito rico, com atenção especial aos eventos musicais. 

 

Vesperata

 

Um dos mais tradicionais eventos musicais ao ar livre de Minas Gerais é a Vesperata de Diamantina. As apresentações acontecem entre abril e outubro, em alguns finais de semana. Os músicos se posicionam nas sacadas dos casarões da Rua da Quitanda, e as pessoas assistem da rua. É como se fosse uma serenata ao contrário!

 

Durante os dias de Vesperata, a cidade fica muito movimentada. Cada apresentação atrai cerca de 1.000 pessoas. 

 

O evento vem de uma tradição religiosa, entre os séculos XVIII e XIX. Os músicos se apresentavam nas sacadas e janelas dos casarões no período das vésperas. 

Créditos: Governo de Minas // A Vesperata de Diamantina é um evento musical ao ar livre.

Igrejas

 

A Catedral Metropolitana de Diamantina fica no centro histórico da cidade, no local onde ficava a antiga Igreja Matriz de Santo Antônio, construída no século XVIII. Ela passou por reformas, mas acabou sendo demolida em 1930. A edificação da igreja atual terminou em 1940. Do templo antigo, ainda há os retábulos, que mantêm o estilo barroco. A decoração é bem simples, e a fachada em azul e branco reforça o aspecto tradicional. 

 

Catedral Metropolitana de Diamantina

 

Outro santuário de destaque da cidade é a Igreja de São Francisco de Assis. É o local onde Chica da Silva foi enterrada. Até o século XIX, era comum que as pessoas fossem enterradas em igrejas, mas a prática mudou com os estudos sobre saúde pública, que exige um sepultamento adequado. 

 

Um dos grandes atrativos desta igreja é a bela vista, pois fica no topo da cidade e oferece uma visão incrível. Para a visitação, a entrada custa R$5, mas, caso esteja em horário de missa, é gratuita. 

 

Chica da Silva foi enterrada na Igreja São Francisco de Assis.

 

Mais uma que vale a visita é a Capela Imperial de Nossa Senhora do Amparo, uma das mais antigas da cidade. Ela foi construída pela Irmandade dos Pardos do Arraial de Tijuco, que teve dificuldades em terminar a edificação pela falta de verbas. Os membros chegaram a não celebrar a tradicional festa da padroeira para finalizar as obras. Chama a atenção pela arquitetura diferenciada, por ter apenas uma torre central. 

 

A Capela Imperial destaca-se pela torre única central.

Museus

 

Por ser uma cidade histórica, Diamantina tem uma série de museus que valem a pena a visita. O Museu do Diamante retrata a sociedade na época da extração do minério de ouro e diamante. O acervo conta com instrumentos, objetos, documentos e outros artigos que compõem a memória da época. Também é um espaço com muitas fotografias, com imagens do garimpo, minas, casas, ruas, monumentos e personalidades. O museu fica em um antigo casarão colonial, que já foi a morada do Padre Rolim, figura importante da Inconfidência. 

 

Créditos: Museu do Diamante // O casarão do museu foi a casa de Padre Rolim.

 

Dois pontos bem legais de vistas são as casas de Chica da Silva e de Juscelino Kubitschek. A Casa de Chica da Silva é um dos casarões mais bem conservados da cidade. Os móveis e decoração mostram como as pessoas viviam na época, e é uma verdadeira viagem no tempo. Chica da Silva é uma figura importante do Brasil colonial por ser uma mulher negra, escrava alforriada e casada com um contador de diamantes. Com o casamento, ela se tornou uma mulher muito rica, e conseguiu ascender socialmente. Por isso, a casa onde vivia com seu marido e filhos é bastante luxuosa. Os cômodos amplos, belas sacadas, jardim, por exemplo, mostram bem a condição social dela. A entrada é gratuita. 

 

Créditos: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional // A estimativa é que o casal morou neste local entre 1755 e 1770.

 

A Casa de Juscelino Kubitschek foi onde o ex-presidente viveu durante a infância e adolescência. Alguns cômodos foram reproduzidos para mostrar sua vida, como o quarto que tinha quando adolescente e o consultório onde atendeu como médico. Também há objetos dele, fotografias, recortes de jornais, dentre outros artigos que representam JK. A entrada custa R$3.*

 

Créditos: Governo de Minas // JK morou nesta casa durante a infância e a adolescência

Parque Estadual do Biribiri

 

Para quem gosta de natureza e atividades ao ar livre, o Parque Estadual do Biribiri é uma parada obrigatória! Localizado na Serra do Espinhaço, o parque tem trilhas e cachoeiras. 

 

As melhores quedas d’água são das cachoeiras da Sentinela e dos Cristais. Não deixe de reservar um dia para curtir o parque e ter um dia diferente! O ideal é ir na época de chuva, pois no período da seca o nível da água pode ficar baixo. 

 

O parque fica a apenas 20 minutos do centro da cidade, e tem muita sinalização pelo caminho. 

 

Cachoeira dos Cristais

Gastronomia

 

Como toda cidade turística, Diamantina representa muito bem a ótima culinária mineira. Tudo simples, mas muito delicioso!

 

Um ponto turístico gastronômico que vale a pena conferir é o Mercado Municipal, também chamado de Mercado Velho. Ele funciona todos os sábados e é um ótimo local para experimentar comidas típicas, comprar temperos e ver artesanato. À noite, tem música ao vivo, que pode ser aproveitada com o sabor de pratos típicos e cachaças artesanais. 

 

Para uma boa refeição mineira, mas com um toque contemporâneo, há o Relicário. O cardápio oferece carne de lata, risoto de linguiça, bolinho de feijoada e dadinho de tapioca com goiabada. A decoração retrô é um charme à parte! 

Créditos: Restaurante Relicário // O dadinho de tapioca com goiabada é delicioso!

 

Gostou desse pequeno tour por Tiradentes e Diamantina? A Estrada Real é uma viagem muito legal e diversa, que garante uma volta no tempo. Além de conhecer lugares novos e bonitos, você ainda conhece melhor a história de Minas Gerais. Quer saber quais são as melhores opções de hospedagem? Saiba onde você tem que ficar na Estrada Real! 

 

*valores em: 23 de outubro de 2021