Lifestyle

O que é turismo ecológico?

Você já fez alguma trilha, nadou numa cachoeira ou acampou na mata? Então é bem provável que já tenha praticado o ecoturismo, mesmo sem saber. O turismo ecológico é baseado na realização de atividades em contato com a natureza, de forma a promover a consciência ambiental das pessoas e a proteção das áreas em que ele ocorre.


Em 1º de março, o mundo comemora o Dia do Turismo Ecológico. Vamos contar um pouco sobre esse segmento neste texto. Mas que tal aproveitar a data para conhecer ainda mais esse tipo de programa e descobrir destinos incríveis onde você pode realizá-lo? Confira as nossas dicas a seguir: 

 

Como fazer turismo ecológico?

Não basta estar em contato com a natureza. O ecoturismo, turismo ecológico, é mais que isso. Para praticá-lo, você deve adotar uma relação respeitosa e sustentável com o ambiente. 

Ou seja: nada de investir em atividades que degradem a flora, explorem os animais ou desconsiderem os modos de vida das comunidades locais. A ideia é estar em harmonia com todo o ecossistema ao redor de você. 

Mergulho, rapel, caminhada em trilhas, arvorismo, escalada, montanhismo e rafting são algumas modalidades que têm potencial para integrar um bom roteiro de turismo ecológico. Essas atividades possibilitam a conexão com a natureza, e você pode realizá-las de forma sustentável, ao mesmo tempo em que adquire informações sobre a região. 

Para os mais aventureiros, atividades radicais como o rapel e a escalada também são opções para a prática do ecoturismo

 

Quais as vantagens do turismo ecológico?

Não é à toa que a busca por destinos de ecoturismo cresce cada vez mais no Brasil e no mundo. Esse é um segmento que traz muitas vantagens, tanto para seus praticantes quanto para a natureza e a comunidade ao seu redor.

Um dos principais benefícios do turismo ecológico é que ele não agride o ecossistema. Com impactos ambientais mínimos, o segmento pode se manter na região indefinidamente, enquanto for vantajoso para todos os envolvidos. Boa parte das verbas arrecadadas pelo segmento retorna para o local. Esse dinheiro pode ser usado para promover a preservação da área e melhorar a vida da comunidade que depende dela.

Também existem muitas vantagens para os turistas que praticam essa modalidade. A natureza tem um efeito poderoso sobre o nosso bem-estar. Vivendo em grandes centros urbanos, uma pausa para recarregar as energias é sempre bem-vinda, e ela pode ser proporcionada pelo turismo ecológico. Garantimos que você vai voltar revigorado depois de respirar o ar puro das montanhas, sentir a brisa da praia ou mergulhar nas águas calmantes de rios e cachoeiras.

O contato com a natureza é capaz de reduzir o estresse e melhorar a  saúde mental

A lista de benefícios continua: aprender enquanto se diverte, conhecer novas culturas, fortalecer a atuação de guias e especialistas locais são mais algumas dessas vantagens. E aí, já está com as malas prontas? Então veja quais destinos para turismo ecológico são os melhores pra você:

 

Os melhores destinos para turismo ecológico no Brasil

Boa notícia para quem mora no Brasil: a gente não precisa ir longe para mergulhar (em alguns casos, literalmente) no ecoturismo. Na verdade, grande parte dos melhores destinos do mundo para praticá-lo fica aqui. Nós preparamos um dossiê completão do turismo ecológico, cheio de indicações de lugares perfeitos pra você se conectar com a natureza no Brasil. Vamos nos aprofundar em alguns dos mais procurados?

 

Bonito (MS)

Conhecida como “a capital brasileira do ecoturismo”, Bonito, no Mato Grosso do Sul, atrai muitos visitantes, principalmente por suas belezas naturais. Na região do Pantanal, a 300 km da capital, Campo Grande, o lugar oferece mais de 50 passeios pertinho da natureza. 

Entre cavernas, cachoeiras, flutuação e mergulhos de cilindro e snorkel, são muitas aventuras que você vai encontrar nesse destino. Nós até preparamos um roteiro para turismo ecológico em Bonito recheado de dicas, que você pode acessar aqui.

O Rio Sucuri é um dos principais pontos de ecoturismo em Bonito, onde os visitantes podem passear de barco e praticar a flutuação com snorkel

Uma particularidade de Bonito é que a maioria das atrações está em propriedades privadas, na zona rural do município. É por isso que você precisa comprar ingressos para visitar os pontos turísticos. Os valores para adultos costumam ficar entre R$ 50 e R$ 300 cada passeio. Para conseguir conhecer boa parte das atrações, é bom se planejar para ficar pelo menos uns cinco dias na cidade. 

Já a melhor época do ano para visitar Bonito é relativa: no verão, as temperaturas são mais altas e há mais precipitações. O volume das águas nos rios e cachoeiras é maior, e as matas ficam mais verdes. Os peixes, porém, são mais raros, por conta da piracema. Já no inverno, o clima é bem seco, e podem até ocorrer queimadas, mas as águas cristalinas ficam cheias de peixinhos. Resumindo: durante todo ano, você encontrará uma paisagem diferente e surpreendente por lá.

 

Chapada Diamantina (BA)

A Chapada Diamantina se localiza no coração da Bahia. É uma região enorme, com mais de 38 mil km², que atravessa diversos municípios do estado. Lá nascem quase todos os rios das Bacias do Paraguaçu, do Jacuípe e do Rio de Contas. Por conta disso, o destino dispõe de mais de 300 cachoeiras, diversos rios, piscinas naturais, grutas, trilhas e poços deslumbrantes. 

São muitas opções de passeios que você terá para conhecer a flora, a fauna e a história da região. Muitos deles podem ser feitos gratuitamente, no Parque Nacional da Chapada Diamantina. Outros, fora da reserva, cobram taxas de entrada que variam de R$ 12 a R$ 80. 

Os raios de sol entram pelas frestas das grutas e revelam diversos tons de azul na água e as belas formações rochosas da Chapada Diamantina

Todas essas atrações ficam a mais de 400 km da capital do estado, Salvador. Então, se você for fazer um roteiro de turismo ecológico por lá, programe-se para ficar em vilas e cidades do interior, como Lençóis, Mucugê e Igatu . Em sete dias, você consegue realizar um passeio bem completo.

A região tem atrativos durante o ano todo. Seja no período chuvoso, com cachoeiras mais volumosas; seja na época das secas, que favorecem a realização de trilhas, você encontrará paisagens de tirar o fôlego. 

 

Fernando de Noronha (PE)

O arquipélago de Fernando de Noronha, que faz parte do Estado de Pernambuco, pode ser acessado de barco ou avião partindo de Recife. Os voos diretos duram cerca de 1 hora. A viagem de embarcação pode durar até dois dias – e já pode ser o começo da sua aventura ecológica.

Chegando lá, o que aguarda o turista é um dos mais belos cenários naturais do mundo. Noronha tem 21 praias com paisagens paradisíacas, mas é a vida aquática que faz desse conjunto de ilhas um paraíso sem igual no mundo. Você vai ver de pertinho arraias, golfinhos e até tubarões. Conheça aqui tudo sobre esse destino incrível. 

Trilhas, passeios de barco, mergulhos de snorkel e cilindro são algumas das atividades oferecidas na ilha, que aproximam ainda mais os visitantes da natureza. Se você quer ter só um gostinho das paisagens e belezas do “Caribe brasileiro”, pode ficar na cidade por cerca de três dias. Mas, para roteiros mais completos, o ideal é estender a estadia para cinco ou sete dias.

Fernando de Noronha tem mais de 30 pontos de mergulho, de onde é possível avistar diversos animais da fauna marinha

Como o calor e o sol são constantes na região, dá para visitar o local em qualquer período do ano. Para quem quer tranquilidade, uma boa época é de agosto a outubro. Já a alta temporada ocorre entre novembro e março.

 

Jalapão (TO)

O Jalapão é um destino turístico que ganhou destaque nos últimos anos. Em 2017, a bela região do Estado do Tocantins foi cenário da novela da Globo “Do Outro Lado do Paraíso”, e suas belezas naturais despertaram o interesse de muitos turistas.

Com um bioma típico do Cerrado brasileiro, esse destino engloba vários municípios e diferentes áreas de preservação, dentre elas o Parque Estadual do Jalapão. Você encontrará paisagens grandiosas, entre chapadas e dunas douradas, lagoas cristalinas, fervedouros de água azul-turquesa e belíssimas cachoeiras. 

Do topo das Dunas no Parque Estadual do Jalapão, é possível ter vistas panorâmicas da mata e da água

A região é também uma boa opção para quem quer fazer passeios mais radicais: existem pontos para atividades como o rafting e a escalada, por exemplo. A aventura já começa na hora de se locomover pela área, que fica a cerca 160 km de Palmas (falando especificamente do Parque do Jalapão). Por conta das estradas pouco – ou nada – asfaltadas, a melhor forma de se deslocar por lá é com um veículo 4×4.

A natureza do local é sempre exuberante, mas durante a seca você encontrará a melhor época para visitar o Jalapão, que vai de maio a setembro, e os meses de maio a julho são os melhores para viajar. Dá para montar roteiros bem completos, ficando cerca de 5 dias na região.

 

Alto Caparaó (MG e ES)

O Alto Caparaó é um destino obrigatório para os apaixonados por natureza. Com vários rios, cachoeiras de águas cristalinas e mata exuberante, o município fica no limite de Minas Gerais com o Espírito Santo. É uma área preservada da Mata Atlântica, a mais de 1.000 metros acima do nível do mar – não é à toa que o lugar tem “alto” no nome. 

A principal reserva da região, o Parque Nacional do Caparaó, tem 30,8 mil hectares. Seu território também é dividido pelos dois estados, com duas entradas. A portaria mineira fica em Alto Caparaó. A capixaba, em Pedra Menina. O acesso ao parque é gratuito, mas é preciso fazer reserva, já que o número diário de visitantes é limitado. 

No parque, os visitantes têm à disposição várias atividades para diferentes idades, gostos e preparo físico. Você pode fazer caminhadas, trilhas, nadar nas cachoeiras e piscinas naturais, conhecer a fauna e a flora, dentre outras opções de ecoturismo. Uma das atrações mais famosas, o Pico da Bandeira, é o ponto mais alto da região Sudeste, com 2,89 metros de altura. Quer saber todas as atividades que você encontrará por lá? Acesse aqui o Guia que preparamos sobre a região.

Para chegar ao Pico da Bandeira pelo lado mineiro, é necessário percorrer uma trilha de 6,3 km. Pelo lado capixaba, o percurso tem cerca de 5 km

As melhores épocas para ir a Alto Caparaó com mais tranquilidade são de fevereiro a maio e em setembro e outubro. Esse período é ideal principalmente para quem quer fazer trilhas mais longas, já que as temperaturas são amenas e há poucas chuvas. É possível conhecer os principais atrativos e aproveitar bastante a viagem em um roteiro de 3 ou 4 dias.

E aí? Já está planejando sua próxima viagem rumo a algum desses paraísos do turismo ecológico? Com a 123milhas, você encontra voos, pacotes completos e hospedagens por um preço superespecial!