Dicas para o viajante

Regras para viajar com cão-guia

Você sabe quais são as regras para viajar com cão-guia? Esses cachorros são muito importantes pois auxiliam pessoas com deficiência visual a fazer tarefas do cotidiano, como caminhar pelas ruas, atravessar em faixas para pedestres e uma infinidade de outras coisas. Em viagens, o auxílio de um cão-guia também é primordial para seu tutor, claro. E para embarcar com o um animal de assistência, no caso um cão-guia, em aeronaves, é necessário seguir alguns protocolos que variam de acordo com a companhia aérea e o destino.

De forma geral, as normas incluem a comunicação com antecedência à empresa, coleira com identificação e documentação atualizada. Além disso, o cão-guia tem autorização para permanecer com o dono dentro da aeronave, sem a necessidade de uso de caixa de transporte, e não há cobrança de tarifa pelo transporte do animal.

O deficiente visual não precisa pagar a mais para viajar de avião com seu cão-guia.

O deficiente visual não precisa pagar a mais para viajar de avião com seu cão-guia.

 

Identificação

A carteira de identificação do animal deve conter:

  • Nome do passageiro e do animal;
  • Nome do centro de treinamento ou do instrutor responsável pelo treinamento;
  • CNPJ do centro de treinamento ou do treinador,
  • CPF do profissional, caso tenha sido um instrutor autônomo;
  • Foto do passageiro e do cão-guia.

O cão-guia deve estar com uma plaqueta com as seguintes informações:

  • Nome do passageiro e do animal;
  • Nome do centro de treinamento ou do instrutor responsável pelo treinamento;
  • CNPJ do centro de treinamento ou CPF do instrutor autônomo.

Voos para o exterior exigem o Certificado Veterinário Internacional (CVI), emitido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). A solicitação pela internet pode ser feita para os seguintes países: Argentina, Bolívia, Canadá, Chile, Colômbia, Estados Unidos, Japão, México, Paraguai, Uruguai e Venezuela. Para emitir o CVI eletrônico clique aqui.

Confira aqui as informações sobre outros destinos.

Essas informações vão ser solicitadas no momento do check-in. Então, o tutor deve portar esses documentos e apresentá-los juntamente com a sua identidade e a passagem aérea.

 

Regras da Latam para cão-guia

A solicitação para acompanhamento do cão-guia deve ser feita com, no mínimo, 48 horas de antecedência do voo. É necessário preencher o formulário disponível no site. Confira o regulamento:

  • O cachorro pode viajar aos pés do tutor ou sob o assento dianteiro na cabine, sem obstruir corredores. Ele não pode ficar nas saídas de emergência;
  • É obrigatório o uso de coleiras;
  • O transporte está sujeito às restrições sanitárias dos países de destino ou de conexão. Nas Ilhas Galápagos (Equador), por exemplo, não é permitido nem na cabine, nem no bagageiro. Nesse caso, a recomendação é que a viagem seja feita pela modalidade Latam Cargo;
  • Voos com destino aos Estados Unidos, conexão ou saindo do território americano exigem que o formulário de transporte aéreo seja preenchido. Viagens com mais de 8 horas de duração também precisam do formulário de testemunho. Os documentos devem ser enviados com, no mínimo, 48 horas de antecedência no site. Todos os detalhes sobre as normas estão disponíveis no site do governo estadunidense.

Para mais informações, acesse o site da Latam.

 

Regras da Azul para cão-guia

É necessário que o tutor informe à Azul que vai viajar acompanhado por um cão-guia no momento da compra da passagem, quando estiver preenchendo o formulário com os dados pessoais. Para isso, selecione a opção de “Assistência Especial” do formulário. Confira as regras de transporte:

  • O cão deve estar com a coleira e arreio adequados;
  • O dono deve apresentar a carteira de vacinação do animal atualizada com comprovação da vacinação múltipla e antirrábica assinada pelo médico veterinário – a vacina é obrigatória para animais a partir de três meses de idade e deve ter sido aplicada há mais de 30 dias e menos de um ano;
  • Animais com menos de quatro meses de vida não são permitidos.

Em caso de dúvidas, entre em contato com a central de atendimento pelo número 4003-1118 ou no site.

 

Regras da Gol para cão-guia

É necessário que o tutor informe à Gol que vai viajar com um animal de auxílio no momento da compra ou pelo atendimento on-line. A antecedência mínima é de 48 horas do voo. Saiba quais são as especificações da companhia:

  • Apresentação do comprovante de vacina múltipla, antirrábica e anti-helmíntica, assinado por um veterinário.

Saiba mais no site da Gol.

As empresas aéreas facilitam bastante as viagens com cães-guia, mas é preciso que o usuário informe com antecedência para que a aeronave e a tripulação estejam preparadas para receber o passageiro com todas as medidas necessárias.

Aproveite para conferir tudo sobre Medif e Fremec, documentos necessários para o embarque aéreo de pessoas com deficiência ou condições médicas especiais. Confira também o passo a passo para emitir o comprovante de vacinação.