Todos

Tem que conhecer em Belém

No ranking de cidades da região Norte que mais recebem turistas, Belém desponta em segundo lugar. Um prestígio para a capital do Pará, também conhecida como Cidade das Mangueiras. Destino procurado por viajantes do Brasil e também do exterior, este lugar fascina pelas construções históricas, muitas opções de ecoturismo e culinária rica em sabores de ingredientes locais. Bateu curiosidade? Vem com a 123Milhas e descubra tudo o que você tem que conhecer em Belém!

 

 

Ecoturismo

 

 

Belém tem a floresta Amazônica como quintal de casa. Nada mais justo que iniciar a apresentação da cidade com as opções de ecoturismo, certo?! 

 

 

Bosque Rodrigues Alves

 

 

O nosso tour começa no Bosque Rodrigues Alves, que fica no Jardim Zoobotânico da Amazônia, no coração de Belém. O bosque é um pedaço de 15 hectares da Floresta Amazônica. Lá, estão 10 mil árvores de 300 espécies, 435 animais de 29 espécies em cativeiro e 29 em liberdade ou semi livres. 

 

 

15 hectares de uma mini Amazônia ficam no coração da cidade.

 

 

Entre os bichos, estão o peixe-boi amazônico, jacaré, jabutis, araras e macacos.

 

 

As araras do Bosque.

 

Museu Emílio Goeldi

 

 

Uma mistura de história, conhecimento e natureza no mesmo lugar. O Museu Emílio Goeldi foi a primeira instituição de pesquisa de Belém, fundada em 1866. A fundação lidera as investigações sobre a biodiversidade amazônica, e já apresentou quase 600 novas espécies de fauna, flora e fungos, apenas no século XXI. 

 

 

A exposição conta com coleções de pesquisas científicas sobre o meio ambiente, com acervo arqueológico, biológico, documental, etnográfico, mineral e fóssil. Há uma seção exclusiva com as obras e pesquisas de Emílio Goeldi, o naturalista suíço-alemão que transformou o museu em um grande centro de pesquisa. 

 

 

Além do museu, o complexo abriga o primeiro parque zoobotânico do Brasil, fundado em 1895, com uma área de 5,4 hectares. Nas visitas, você pode conhecer 2.000 árvores nativas da região, como samaúma e acapu, e 600 animais, sendo alguns ameaçados de extinção, como peixe-boi, arara-azul e onça pintada. Também há um grande aquário, com espécies de peixes nativos. 

 

 

Você verá belas vitórias-régias no parque.

 

 

O museu fica aberto de terça a domingo, das 9h às 16h15. O ingresso custa R$3, com opção de meia entrada para estudantes, profissionais da educação e jovens de baixa renda, mediante à apresentação da carteirinha Identidade Jovem. Idosos acima de 60 anos, pessoas com deficiência e crianças menores de 12 anos têm entrada gratuita. 

 

 

Mangal das Garças

 

 

Às margens do Rio Guamá, está o Mangal das Garças, um parque zoobotânico com 40 mil metros quadrados. Você verá de perto, garças, flamingos e outras aves no viveiro, uma das atrações mais visitadas. A entrada ao parque, um refúgio da natureza com mais de 300 espécies de plantas nativas, é gratuita. Para acessar o viveiro, o ingresso custa R$5*. Também há um borboletário, considerado como o maior do Brasil. Dentre as diversas borboletas, há a Borboleta-Júlia, espécie que tem mais tempo de vida. Para visitar o borboletário, também é preciso pagar a entrada de R$5*. 

 

 

Vista aérea do Mangal das Garças.

 

 

Outra atração é o Farol de Belém, uma torre-mirante com 47 metros de altura. O lugar ideal para ter uma visão completa do parque e de outros pontos da cidade. Caso queira subir, o valor é R$5. 

 

 

Para quem gosta de história, o complexo conta com o Museu da Navegação da Amazônia, que mostra a história da navegação fluvial na Amazônia. Há réplicas de barcos e boas explicações sobre o funcionamento dos sistemas. O ingresso também custa R$5, mas a entrada é gratuita às terças-feiras. 

 

 

Para quem quiser visitar todas as atrações, existe um passaporte de R$15*, que garante a entrada em todos os espaços do parque. As visitas acontecem de terça a domingo, das 8h às 18h. 

 

 

Ilha do Combu

 

 

A Ilha do Combu é parada obrigatória no roteiro em Belém. Para chegar lá, é necessário fazer um trajeto de barco, que dura cerca de 15 minutos. A embarcação sai da Ilha Princesa Isabel, no bairro Condor. Cada trajeto (de ida e volta) custa aproximadamente R$15*.

 

 

Vá de barco pelo Rio Guamá.

 

 

Para quem gosta de fazer trilhas, é um lugar excelente. Por isso, vá com roupas leves e sapatos adequados. Levar um chapéu e protetor solar também é importante. Caso queira nadar no Rio Guamá – que é uma experiência única, lembre-se de levar roupas de banho. 

 

 

Além das trilhas e banho de rio, a Ilha também é conhecida pela produção de chocolate 100% orgânico, feitos pela dona Nena. A produção de cacau em Combu é enorme, e muitas pessoas plantam no quintal de casa. Nena estava acostumada a fazer doces para ela e sua família, mas surgiu a ideia de vender, para melhorar a renda. A produção dos chocolates é artesanal e sem nenhuma adição de conservantes. Se tiver sorte, pode vê-la produzindo esta iguaria em sua visita. 

 

 

Experimente o chocolate 100% orgânico.

 

 

Na Casa do Chocolate da Ilha do Combu você encontra chocolate em barra, chocolate em pó, bombons e variações. Muitos restaurantes da ilha usam o chocolate em receitas, então você poderá comer vários alimentos com esse ingrediente único. 

 

 

Complexo Feliz Lusitânia

 

 

Reserve pelo menos metade de um dia para visitar o Complexo Feliz Lusitânia, pois há muitas atrações interessantes. O espaço fica na região mais antiga de Belém e é considerado o núcleo de formação da cidade. Lá você pode conhecer as construções mais antigas. 

 

 

Catedral Metropolitana de Belém

 

 

Construída entre 1748 e 1771, a Catedral Metropolitana de Belém segue o estilo neoclássico e barroco. O templo também é conhecido como Catedral da Sé, e faz parte de uma das maiores manifestações religiosas de Belém, o Círio de Nazaré

 

 

Catedral Metropolitana de Belém.

 

 

A igreja sofreu algumas modificações ao longo do tempo, até se tornar a grandeza que é hoje. O projeto final é atribuído ao arquiteto italiano Antônio José Landi, que fez belíssimos desenhos no interior e modificou a fachada, com o coroamento das duas torres. A decoração interna é muito rica, com telas de artistas europeus do século XVIII, dez altares laterais, 28 candelabros de bronze, afrescos no teto e vitrais. Também tem belo órgão francês do século XIX, considerado o maior da América Latina. 

 

 

Casa das Onze Janelas

 

 

Inicialmente, a Casa das Onze Janelas foi construída, no século XVIII, para ser a residência de um senhor de engenho. Em 1768, foi adquirida pelo governo para ser o Hospital Real e, mais adiante, passou a ter funções militares. 

 

 

Agora, a casa abriga o Museu de Arte Casa das Onze Janelas, que tem um acervo de obras modernas e contemporâneas. Luiz Braga, Tarsila do Amaral, Rubens Gerchman e Elza Lima são alguns dos artistas contemplados. Também há uma exposição fotográfica, com produções de 26 fotógrafos que atuaram no Pará nos anos 1980 e 1990. 

 

 

Créditos: Prefeitura de Belém // Casa das Onze Janelas

 

 

As visitas acontecem de terça a sexta-feira, das 10h às 18h, e aos sábados, domingos e feriados, das 9h às 13h. O ingresso custa R$4*, com meia-entrada para estudantes. Crianças menores de 12 anos, idosos acima de 60 anos, pessoas com deficiência e militares fardados não pagam para entrar. Às terças-feiras, o ingresso é grátis para o público geral. 

 

 

Praça Dom Frei Caetano Brandão

 

 

A Praça Dom Frei Caetano Brandão é considerada o marco inicial da cidade, sendo o ponto de encontro entre colonos e indígenas. O nome homenageia o sexto bispo do Pará, conhecido como apóstolo dos enfermos. Além do nome, a homenagem também foi feita com a construção de uma estátua de Frei Caetano. 

 

 

Créditos: Iphan // Praça Dom Frei Caetano Brandão.

 

 

Forte do Presépio

 

 

Uma das primeiras construções da cidade foi o Forte do Presépio, feito para proteger dos invasores holandeses e franceses. O local ainda conta com os canhões originais e com um rico acervo de peças de cerâmica anteriores à colonização. A entrada custa R$4, mas é gratuita às terças-feiras. 

 

 

Forte do Presépio.

 

Pontos turísticos

 

Theatro da Paz

 

Luxo, história e espetáculos de produção contemporânea num só lugar. Assim é o Theatro da Paz, construído há mais de 140 anos. Este cartão postal de Belém foi inspirado em uma das mais famosas casas de ópera do mundo, o Teatro Scala, que fica em Milão, na Itália.  

 

 

Theatro Municipal, cartão postal de Belém.

 

 

O nome é uma alusão ao fim da Guerra do Paraguai, em 1870. Foram usados materiais e objetos trazidos da Europa para compor a decoração, como o lustre e as estátuas de bronze francesas. O piso é de pedras portuguesas e a escadaria foi feita com mármore italiano. O prédio é tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e é considerado o maior teatro da região Norte do Brasil.

 

 

Para quem tiver interesse, é possível fazer uma visita guiada. Os passeios acontecem a cada uma hora, entre 9h e 17h, de terça à sexta-feira. Aos sábados, funciona das 9h às 12h, e aos domingos, das 9h às 11h. O ingresso custa R$6*, com meia entrada para estudantes, maiores de 60 anos e pessoas com deficiência. Às quartas-feiras, a entrada é gratuita. 

 

 

Basílica de Nossa Senhora de Nazaré

 

 

A Basílica de Nazaré é muito importante para os moradores de Belém. Uma antiga lenda conta que uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré foi encontrada no local onde a igreja foi erguida. Várias pessoas levavam a santa para outro lugar, mas ela sempre desaparecia e reaparecia no mesmo ponto. Decidiram então construir um templo para abrigá-la. Esta igreja também faz parte da tradição do Círio de Nazaré. 

 

 

Basílica de Nazaré.

 

 

Arte e cultura

 

 

Fox Belém

 

 

As locadoras de filmes se tornaram antigas lembranças em muitas cidades, mas ainda há uma em Belém! A Fox Belém foi inaugurada em 1987, mas as mudanças sociais exigiram que o espaço fosse transformado. Agora, a maior parte do espaço abriga uma livraria. Também há papelaria, cafeteria e espaço de coworking. Para muitos moradores, é tido como o melhor lugar da cidade! 

 

A Fox também faz diversos eventos, como feiras literárias e lançamentos de livros, e promove atividades culturais de incentivo à leitura. 

 

 

Vila Container

 

 

Com uma série de containers ao invés de lojas ou quiosques, o Vila Container é um complexo de empreendimentos criativos. Você pode encontrar obras de arte de artistas locais, roupas descoladas e várias opções de restaurantes. Além disso, sempre tem eventos culturais, como shows de diferentes estilos musicais e projetos. A programação é disponibilizada no perfil do Instagram

 

 

Créditos: Vila Container // O espaço abriga empreendimentos criativos.

 

 

Círio de Nazaré

 

 

Uma das maiores manifestações religiosas do mundo acontece em Belém. O Círio de Nazaré ocorre sempre no segundo domingo de outubro, desde 1793. Por suas romarias e procissões, passam, pelo Círio, cerca de 2 milhões de pessoas a cada ano.

 

 

Círio de Nazaré reúne milhões de fiéis.

 

 

A quadra Nazarena acontece 15 dias antes da procissão principal. Durante este tempo, acontecem outras procissões e diversas romarias, como a trasladação. No dia oficial, a imagem de Nossa Senhora de Nazaré é transportada da Catedral Metropolitana, na parte antiga da cidade, até a Praça Santuário. O percurso tem aproximadamente cinco quilômetros.

 

 

A tradição foi inscrita na lista de Patrimônio Cultural da Humanidade da Unesco em 2013. 

 

 

Gastronomia

 

 

Mercado Ver-o-Peso

 

 

O Mercado Ver-o-Peso é um dos mais antigos mercados do país e a maior feira ao ar livre da América Latina. Fica na parte antiga da cidade, e é conhecido pelas iguarias da culinária belenense.

 

 

Vista aérea do mercado.

 

 

Lá você encontra o típico peixe frito com açaí e farinha. Em muitas regiões do país, o açaí é considerado como doce, mas no Pará este alimento é para pratos salgados. Se você nunca tiver comido este preparo do açaí, não deixe de experimentar. É delicioso! 

 

 

O açaí é comido como prato salgado.

 

 

Falando em comidas típicas, por lá você encontrará muitos quiosques que vendem mingau, principalmente de tapioca, milho e arroz. 

 

 

As bancas de frutas também são parada obrigatória. Não deixe de experimentar as iguarias da região, como cupuaçu, pupunha e tucumã. Você também encontra a castanha do Pará natural e descascada na hora. Aposto que vai querer levar para casa, então deixe um espacinho na mala.

 

 

Pupunha.

 

 

No Mercado Ver-o-Peso você também encontrará a cachaça de jambu, feita com uma erva típica do estado. O gosto é bem inusitado, similar ao da erva. É conhecida por deixar a boca um pouco dormente depois de beber. Se você gosta de uma boa dose, não deixe de provar. 

 

 

O Mercado de Carne e o Mercado de Peixe fazem parte do complexo, e são os melhores lugares para comprar esse tipo de alimento. Os peixes, frescos e pescados em água doce, chamam a atenção dos turistas. Mesmo que você não vá cozinhar durante a viagem, é bom ir conhecer.  

 

 

Belém é uma cidade única, com grande riqueza histórica e que chama a atenção pela natureza e frutos únicos. Esta cidade é cheia de encantamentos, e proporciona uma experiência inesquecível. Já começou a planejar a viagem? Vem com a 123Milhas conhecer as melhores opções de hotel e saiba onde você tem que ficar em Belém!

 

*Valores em: 26 de outubro de 2021