Lugares para conhecer

Árvores nativas do Brasil: onde encontrá-las

No dia 21 de setembro é comemorado o Dia da Árvore, uma data especial para celebrar as gigantes que nos proporcionam aquilo que é mais caro para a vida: a purificação do ar que respiramos. Vamos descobrir mais sobre as árvores nativas do Brasil, tão esplendorosas que algumas até viraram atrações turísticas. 

Você vai ler sobre

Árvores nativas do Brasil

As árvores são, como diria o escritor Tolkien, “a coisa mais antiga que ainda anda sob o Sol”, existindo desde que o mundo é mundo. Há indícios de que as pteridófitas, primeiras plantas do planeta, que originaram as árvores, surgiram entre 200 milhões e 300 milhões de anos atrás.

Encontramos em nosso país diversas espécies de árvores nativas brasileiras. São exemplos de árvores dos principais biomas do Brasil:

  • Seringueira da amazônia, o patrimônio natural mais valioso do mundo
  • Aroeira do cerrado, uma das árvores do cerrado brasileiro
  • Saboeiro na mata atlântica, um dos principais biomas do Brasil

Além desses exemplares, existem muitas outras espécies em cada um dos preciosos ecossistemas brasileiros, espalhadas em todos os estados. O Dia da Árvore, 21 de setembro, está aí para nos lembrar da importância que cada uma delas tem para o meio-ambiente, garantindo o bem-estar e a possibilidade de vida na Terra.

Ademais, é um momento de reflexão sobre a necessidade de preservá-las, levando em consideração que cerca de 15 bilhões de árvores são destruídas por ano no planeta inteiro. Só na área que compreende a Amazônia Legal, mais de 400 milhões de árvores já foram desmatadas. 

Sendo assim, vamos conhecer mais sobre três gigantes da natureza: ipê, cajueiro e o pau-brasil, aprendendo curiosidades de cada uma e onde encontrá-las. Vamos às árvores nativas do Brasil para conhecer e se encantar em uma viagem voltada ao turismo sustentável.

Ipês coloridos em Belo Horizonte

Ipê, ou Ypê, é a nomeação mais popular de uma grande variedade de espécies pertencentes ao gênero Tabebuia e Handroanthus, e está entre as árvores mais comuns no Brasil. Porém, em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, podemos encontrá-las em abundância. 

Os ipês são caducifólias, o que significa que em determinado momento suas folhas são substituídas por cachos de flores de cores intensas e variadas, proporcionando um espetáculo aos olhos. 

Podemos encontrar quase 29 mil ipês coloridos nas ruas de BH, sendo que o ipê-rosa é o mais comum, quase 10 mil deles espalhados pela cidade, de acordo com o inventário de arborização urbana de Belo Horizonte. Dentre as nove espécies da árvore que se espalham pela capital mineira também destacam-se o ipê-amarelo, o roxo e o branco. E eles podem ser vistos florindo de junho a setembro, ao caminhar pelas ruas e passear nos famosos parques e praças da cidade. 

Assim, quando notamos o céu azul contrastado com as inúmeras cores das árvores, é possível entender o porquê de o destino carregar o título de cidade-jardim. Principalmente se olharmos no inverno, época da florada dos ipês — que sempre acontece no mesmo período. 

Árvores nativas do Brasil: onde encontrá-las | Ipê de BH | Conexão123

O ipê é uma das árvores nativas do Brasil que podem ser encontradas nas ruas, parques e praças em BH

Geralmente, existe uma ordem de floração dos ipês: primeiro despontam os roxos, com a coloração que muito se aproxima de um rosa escuro; logo após, podemos perceber os amarelos e, por último, os brancos. 

Já que a florada acontece justamente na baixa temporada, é muito mais vantajoso aproveitar uma viagem barata para ir a BH e observar as árvores. Inclusive, veja aqui  o que fazer em Belo Horizonte

O maior cajueiro do mundo perto de Natal

O caju é uma das frutas típicas do Brasil, tal qual a árvore que o produz. O cajueiro é uma espécie nativa da região litorânea do nordeste brasileiro, e seu fruto faz parte da alimentação indígena há muitos séculos. Aliás, o nome caju é originário do tupi, e significa “noz que se produz”.

O maior cajueiro do mundo pode ser encontrado na praia de Pirangi do Norte, em Parnamirim, município da Grande Natal, região metropolitana que compreende a capital do estado do Rio Grande do Norte. É um espetáculo magnífico da natureza, a árvore cobre aproximadamente 8 mil m², em um perímetro de quase 500 m.

Sua grandiosidade se deve a duas anomalias: uma que faz com que seus galhos cresçam para os lados, e por conta de seu peso eles acabam chegando ao chão; a segunda anomalia, decorrente da primeira, faz com que a partir desses galhos surjam novos troncos da mesma árvore. 

A árvore tornou-se um emblema tão forte na região que passou a ser um dos cartões-postais do estado. O Cajueiro de Pirangi vai completar 134 anos em dezembro deste ano, 2022. Acredita-se que a árvore foi plantada por um pescador, chamado Luiz Inácio de Oliveira, no ano de 1888. 

Árvores nativas do Brasil: onde encontrá-las | Cajueiro de Pirangi | Conexão123

Conheça o grandioso cajueiro de Pirangi, o maior cajueiro do mundo | Foto: Idema-RN

O cajueiro recebe cerca de 300 mil visitantes por ano, de acordo com  Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (Idema). Em 1994, foi reconhecido mundialmente, entrando para o Guinness Book como o Maior Cajueiro do Mundo.

É aberto para visitação todos os dias da semana, das 7h30 às 17h30. A entrada custa R$ 8, sendo que crianças, estudantes, professores e idosos têm direito à meia-entrada. 

Por lá, é possível passear embaixo da copa imensa de folhas, pelos subtroncos e conhecer o tronco principal. Além disso, o lugar dispõe de um mirante para contemplar a grandiosidade da área verde que contrasta com a água azul e transparente da praia de Pirangi do Norte.  

Curta o maior cajueiro do mundo em um dos destinos para descansar pelo Brasil e aproveite para curtir o máximo das redondezas!

Pau-brasil centenário no sul da Bahia

O pau-brasil é uma das árvores mais famosas do país, justamente por fazer parte dos momentos históricos de fundação do Brasil, sendo muito utilizada pelos povos originários para a confecção de instrumentos e amplamente explorada pelos portugueses na época da colonização — muitas vezes de maneira indevida.

Ela é uma árvore típica da mata atlântica, suas características incluem um tronco recoberto de espinhos em tons avermelhados. Ela pode chegar até 30 m de altura, com um diâmetro de 1,5 m. Sua floração, geralmente, acontece no mês de setembro e vai até o meio de outubro. Entre novembro e janeiro, podemos observar o processo de maturação dos frutos.

Em 2020, pesquisadores de botânica registraram o que seria conhecido como o maior pau-brasil do país. A árvore foi encontrada em Itamaraju, município localizado no extremo sul da Bahia, a cerca de 700 km de Salvador e 150 km de Porto Seguro .

Trata-se de uma gigante de 40 m de altura e 7 m de circunferência, com raízes bem grossas e fincadas na terra há aproximadamente cinco séculos. A estimativa de 500 anos de idade se deu por conta do tamanho da circunferência e da altura.

Árvores nativas do Brasil: onde encontrá-las | Pau-brasil de 600 anos na Bahia | Conexão123

A árvore de pau-brasil descoberta no sul da Bahia com cerca de 600 anos de idade | Foto: Cássio Vasconcellos/Arquivo pessoal

Essa gigantesca anciã descoberta no sul da Bahia é a maior árvore da espécie que dá nome ao país encontrada em solo brasileiro. Com certeza, é uma gigante com muita história para contar em suas raízes, tronco, galhos e folhas. 

Gostou de conhecer as árvores nativas do Brasil? Voe com a 123milhas para conhecer cada uma delas e aproveite para descobrir mais e mais sobre esses destinos brasileiros cheios de encantamento!