Belo Horizonte, a capital do pão de queijo - Blog 123Milhas
Belo Horizonte, a capital do pão de queijo

Belo Horizonte, a capital do pão de queijo

16 de outubro de 2021

Para que você possa curtir cada pedacinho de Belo Horizonte, a capital do pão de queijo, dos botecos e do “cafezin”, a 123Milhas te apresenta um roteirão com o melhor da capital de Minas Gerais. Vem com a gente!

 

Partiu Belo Horizonte?

 

Anote aí: se você procurava no Brasil um destino onde encontrar, ao mesmo tempo, a mais interessante mistura de tudo de melhor que uma cidade grande e outra do interior podem lhe oferecer, você está no lugar certo: Belo Horizonte, a capital do pão de queijo, ou Beagá (BH), para os íntimos. E essa dualidade observa-se desde sua origem.

 

Belo Horizonte é uma cidade jovem, fundada em 1897 para ser a nova capital de Minas Gerais. O município está situado em um dos estados brasileiros com passado muito marcante, berço dos mais famosos destinos históricos do país. A moderna capital mineira já nasceu com tradição e contemporaneidade circulando por suas veias.

 

Com apenas 123 anos, BH já é o sexto município mais populoso do país, com mais de dois milhões e meio de habitantes. O boom populacional e territorial vivido nos últimos 50 anos trouxe à cidade a convivência diária com conhecidos problemas das grandes metrópoles brasileiras – trânsito, segurança, mobilidade urbana e planejamento habitacional.

 

Mesmo diante dessa realidade, Belo Horizonte já foi indicada pelo Population Crisis Commitee da ONU, como a metrópole com melhor qualidade de vida na América Latina e a 45ª entre as 100 melhores cidades do mundo. Em 2010, gerou 1,4% do PIB do país e, em 2013, era o quarto maior PIB entre os municípios brasileiros, responsável por 1,53% do total das riquezas produzidas no país.

 

Uma evidência do desenvolvimento da cidade nos últimos tempos é a classificação da revista América Economia, na qual, já em 2009, Belo Horizonte aparecia como uma das dez melhores cidades para fazer negócios da América Latina, segunda do Brasil, à frente de metrópolis como Rio de Janeiro, Brasília e Curitiba.

 

Mas BH vai muito além de indicadores e números, não é mesmo? A cidade é pura poesia, embalada por um sentimento que envolve a tudo e a todos que nasceram ou amam esse lugar. Tal sentimento foi definido um dia por algum sábio como “mineiridade”.

 

E para que você possa entender do que se trata, preparamos este “roteirão” (ou seria “roteirin”? – risos) com o melhor de Belo Horizonte, a capital do pão de queijo, para quem quer (re)visitá-la muitas e muitas vezes. E atenção à dica: apure seus ouvidos, pois o sotaque também é uma atração por aqui. Vem com a gente!

 

O belo horizonte

 

Abrigada entre a Serra do Curral – símbolo da capital mineira escolhido por meio de um plebiscito ocorrido em 1995 – o horizonte de BH é verdadeiramente belo e inspirador. Não é à toa que batizou a nova capital do estado. Uma pintura diária, do nascer ao pôr do sol.

 

O belo horizonte: a capital mineira vista das margens da Serra do Curral, no Mirante do Mangabeiras

A gastronomia

 

Pra falar de culinária mineira, em Belo Horizonte, a capital do pão de queijo, temos que começar falando justamente dele, o tão famoso pão de queijo. Sucesso em vários países, hoje em dia essa iguaria já é exportada para mais de 50 países.

 

E o pão de queijo não existiria sem o nosso queijo minas. Apesar de mais conhecido ser o queijo minas frescal, Minas Gerais possui mais de 10 variedades de queijos diferentes,  produzindo mais de 50 toneladas de queijo por ano. O queijo da Serra da Canastra,por exemplo, já recebeu vários prêmios internacionais pela sua qualidade.

 

Pra combinar com todas essas delícias, o café mineiro é a melhor pedida! A cultura cafeeira do estado começou no sul e se espalhou por quase todo o território de Minas. Com variedades de grãos, exportamos cafés premiados para o mundo todo. A região da Serra da Mantiqueira recebeu a Denominação de Origem para exportação, ou seja, o café que sai especificamente de lá é marcado e ganha reconhecimento do cultivo especifico do local.

 

E para fechar com chave de ouro qualquer refeição na casa dos mineiros, precisamos falar da sobremesa, aquele doce de leite maravilhoso e cremoso! Você sabia que o melhor doce de leite do Brasil também é mineiro? Desde 2000 o Doce de Leite Viçosa é agraciado com essa premiação pelo Concurso Nacional de Produtos Lácteos. Um doce de textura macia feito somente com leite e açúcar mas que traz com ele um sabor inigualável. Se você ainda não experimentou, precisa provar!

 

Poucas coisas representam tão bem a mineiridade aguçada da capital de Minas quanto a sua gastronomia. Claramente, a culinária mineira é a essência e ponto de partida de tudo que se serve à mesa em Belo Horizonte. Essa raiz é a inspiração do nacionalmente conhecido festival Comida di Buteco. O evento, que acontece todos os anos, entre abril e maio, foi criado há 20 anos, é um dos cartões de visita do turismo em BH.

 

O petisco servido pelo Tanganica Art Bar, vencedor da 20ª edição do Comida di Buteco, comemorada em 2019 Foto: Divulgação

Os botecos

 

O berço do festival Comida di Buteco não poderia deixar também de ser a capital nacional desse tipo de estabelecimento. Um levantamento feito pela prefeitura municipal, em 2017, apontou que em Beagá haviam 9500 bares, uma média de 28 unidades por quilômetro quadrado de área do município. Para os amantes de uma gelada e de um petisco, este título de Belo Horizonte é um prato cheio. Afinal, o próximo boteco fica logo ali!

 

 

O Mercado Central

 

Temperos, aromas, sabores, crenças, cores: todas as características mais marcantes da mineiridade dão charme e muita personalidade ao mercado mais querido de Belo Horizonte. Há nove décadas, o Mercado Central é ponto turístico para quem vem de fora e ponto de encontro para quem vive na cidade.

 

Entre mantimentos, hortifrutis, carnes exóticas e tudo mais que se possa entrar em um enorme armazém, no Mercado Central também é possível provar deliciosos pratos da comida típica local, como o famoso fígado acebolado com jiló. O estabelecimento também abriga comércios relacionados a diferentes formas de religiosidade, toda a criatividade e delicadeza do artesanato e muitos outros preciosos traços da cultura popular mineira. Tudo isso faz do Mercado Central um espaço único, que une tradição e contemporaneidade e encanta por sua singularidade.

 

Especial Mercado Central – COMERCIAL DO QUEIJO. Foto: Pedro Vilela 21-07-2009 Brasil-Minas Gerais-Belo Horizonte

A Savassi

 

Localizada na região Centro-Sul de Belo Horizonte, a Savassi é conhecida pela grande quantidade de bares, pela agitada vida noturna e por possuir um desenvolvido comércio e vocação para negócios, sendo uma das regiões mais prestigiadas da cidade. Seu point, sem dúvidas, é a famosa praça, que, na verdade, se chama Praça Diogo de Vasconcelos.

 

Mas é também na região da Savassi que está localizada a Praça da Liberdade, que, por muitas décadas, foi o coração administrativo do governo do Estado e, hoje, foi transformada em um circuito cultural. Impossível visitar BH sem passar um dia inteiro desbravando a pé cada cantinho da Savassi.

 

Praça da Liberdade, localizada na região da Savassi

O bairro de Santa Tereza

 

Dizem que a felicidade e a gentileza moram em Santa Tereza. E é verdade! Lá é um bairro onde as pessoas ainda conservam o hábito de dar bom dia e boa noite, de trocar um “dedo de prosa” na porta de casa e das crianças brincarem na praça.

 

Carinhosamente chamado de “Santê”, o bairro é quase uma materialização da mineiridade, que corta a “compridez” das palavras. É um lugar que ultrapassa suas próprias fronteiras por ser um celeiro de produção cultural. O local é o berço de músicos famosos, como os grupos Skank e Sepultura. Mas nada se compara à importância de Santa Tereza para o cenário cultural do país como o fato de ser a casa do Clube da Esquina, o maior movimento musical já nascido em solo belorizontino.

O Parque Municipal

 

A principal área verde de BH pulsa no coração da cidade há 123 anos, tendo sido inaugurada poucos meses antes da capital. O Parque Municipal Américo Renné Giannetti foi projetado para ser o maior e mais bonito parque urbano da América Latina e sua estrutura foi inspirada nos parques franceses da Belle Époque. Um recanto de paz em plena agitação do centro da cidade.

 

No centro de Belo Horizonte está localizado o Parque Municipal Américo Renné Giannett

A feira “hippie”

 

A feira de domingo, ou feira da avenida Afonso Pena ou, ainda, a feira hippie, como foi (e ainda é) conhecida por muitos anos, é a maior feira de artesanato do Brasil. O local é um convite à convivência, à troca e ao encontro cultural no espaço público, além de ser um grande centro comercial de produtos exclusivos e artesanais.

 

Na feira, você encontra flores desidratadas e arranjos decorativos, utilidades domésticas, móveis rústicos, cestos, tapetes e cortinas. Tem também calçados, bolsas, bijuterias, vestuário adulto e infantil, enxoval para bebês, brinquedos e bichinhos de pelúcia, além de instrumentos musicais de percussão, pinturas, esculturas e muito mais. Bateu aquela fome ou sede?  Comida gostosa, sucos, cervejas e refrigerantes não faltam.

 

A feira funciona todos os domingos do ano, das 7 às 14 horas, na Av. Afonso Pena entre as ruas da Bahia e Guajajaras, em frente ao Parque Municipal.

 

Feira “Hippie”, a maior feira de artesanato do Brasil Foto: Lolivan Terra

 

A Pampulha 

 

O cartão-postal mor de BH para o mundo é, sem dúvidas, a Pampulha. Ao longo dos 18 quilômetros de orla da lagoa há diversas atrações turísticas que compõem o Conjunto Arquitetônico da Pampulha, projetado pelo mundialmente famoso arquiteto Oscar Niemeyer nos anos 40 e declarado, em 2016, patrimônio cultural da humanidade pela UNESCO.

 

As principais atrações turísticas da Pampulha são o Museu de Arte Moderna (originalmente um cassino), a igreja de São Francisco, a Casa Kubitscheck e a Casa do Baile. Nos arredores da Pampulha estão também o Ginásio Mineirinho e o Estádio Mineirão – o famoso gigante da Pampulha, o Parque Ecológico e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

 

Em uma visita a BH, a Pampulha merece, no mínimo, um dia inteiro dedicado somente a ela, pois é praticamente uma cidade dentro da cidade.

 

Pampulha, o maior cartão postal de Belo Horizonte

O bairro Mangabeiras 

 

Localizado em região nobre da capital, o Mangabeiras é o endereço do famoso parque que leva o mesmo nome do bairro, uma das principais áreas verdes da cidade e segundo maior parque ambiental urbano do Brasil.

 

Em visita ao bairro Mangabeiras, que tal reservar uns minutinhos para divertir-se com uma curiosidade que atrai milhares de turistas que visitam BH? Na rua Professor Otávio Coelho Magalhães – a popular Rua do Amendoim – um carro desligado parece subir a ladeira (ou morro, no vocabulário local). A causa é uma ilusão de ótica, mas é muito mais legal aceitar o fato como um dos mistérios históricos da capital mineira, né?

 

Outro ponto turístico de destaque localizado no bairro é a Praça Israel Pinheiro, mais conhecida como Praça do Papa, que ganhou este apelido carinhoso em 1980, quando recebeu a visita do Papa João Paulo II, que ali celebrou uma histórica missa a céu aberto. Quem esteve presente ainda se lembra que o Papa admirou-se com a vista do local, um dos pontos mais altos de BH, e exclamou: “que belo horizonte”! Sem dúvidas, uma grande verdade!

 

Praça do Papa, aos pés da Serra do Curral Foto: Ênio Prado

 

E aí, entendeu agora o que vem a ser essa tal “mineiridade”? Em Belo Horizonte, a capital do pão de queijo você consegue senti-la a cada suspiro, a cada final de frase “cantado”…

E aí, malas prontas para desbravar a nossa querida BH?

 

Drones

inscreva-se para receber ofertas exclusivas!

inscreva-se para receber ofertas exclusivas!