Todos

Belo Horizonte, a capital do pão de queijo

Para que você possa curtir cada pedacinho de Belo Horizonte, a capital do pão de queijo, dos botecos e do “cafezin”, a 123milhas apresenta um roteirão com o melhor da metrópole mineira. Além do mais, a cidade oferece muito mais do que uma gastronomia espetacular. Venha com a gente descobrir o que fazer em Belo Horizonte.

Partiu Belo Horizonte?

 

Anote aí: se você procurava no Brasil um destino onde encontrar, ao mesmo tempo, a mais interessante mistura de tudo de melhor que uma cidade grande e outra do interior podem lhe oferecer, você está no lugar certo: Belo Horizonte, a capital do pão de queijo. Ou Beagá (BH), para os íntimos. E essa dualidade observa-se desde sua origem.

Fundada em 1897, Belo Horizonte é uma cidade jovem para ser considerada a nova capital de Minas Gerais. O município está situado em um dos estados brasileiros com passado muito marcante, berço dos mais famosos destinos históricos do país. A moderna capital mineira já nasceu com tradição e contemporaneidade circulando por suas veias.

Com apenas 124 anos, BH é o sexto município mais populoso do país, com mais de dois milhões e meio de habitantes. O boom populacional e territorial vivido nos últimos 50 anos trouxe à cidade a convivência diária com conhecidos problemas das grandes metrópoles brasileiras – trânsito, segurança, mobilidade urbana e planejamento habitacional.

Mesmo diante dessa realidade, Belo Horizonte já foi indicada pelo Population Crisis Commitee da ONU como a metrópole com melhor qualidade de vida na América Latina e a 45ª entre as 100 melhores cidades do mundo. Em 2010, gerou 1,4% do PIB do país e, em 2013, era o quarto maior PIB entre os municípios brasileiros, responsável por 1,53% do total das riquezas produzidas no país.

Uma evidência do desenvolvimento da cidade nos últimos tempos é a classificação da revista América Economia, na qual, já em 2009, Belo Horizonte aparece como uma das dez melhores cidades para fazer negócios da América Latina, segunda do Brasil, à frente de metrópoles como Rio de Janeiro, Brasília e Curitiba.

Mas a capital mineira vai muito além de indicadores e números, não é mesmo? A cidade é pura poesia, embalada por um sentimento que envolve a tudo e a todos que nasceram ou amam esse lugar. Tal sentimento foi definido um dia por algum sábio como “mineiridade”.

E para que você possa entender do que se trata, preparamos este “roteirão” – ou seria “roteirin”? – com o melhor de Belo Horizonte, a capital do pão de queijo, para quem quer (re)visitá-la muitas e muitas vezes. E atenção à dica: apure seus ouvidos, pois o sotaque também é uma atração por aqui. Venha com a gente!

 

O belo horizonte

Abrigada entre a Serra do Curral – símbolo da capital mineira escolhido por meio de um plebiscito ocorrido em 1995 – o horizonte de BH é verdadeiramente belo e inspirador. Não é à toa que batizou a nova capital do estado. Uma pintura diária, do nascer ao pôr do sol.

O belo horizonte: a capital mineira vista das margens da Serra do Curral, no Mirante do Mangabeiras

 

O Mercado Central

Todo o charme de BH está reunido no Mercado Central, um dos lugares mais famosos da cidade. Lá você encontra pratos típicos, itens de decoração, artesanato, artigos religiosos, queijos, doces, hortifrutis, carnes exóticas e tudo mais que se possa encontrar em um enorme armazém. Quase todos os produtos são de fabricação local e supertradicionais, ricos em histórias e com técnicas passadas de geração em geração.

Há nove décadas, o Mercado Central tem grande protagonismo em Belo Horizonte. Marca presença no cotidiano dos moradores e encanta os visitantes do mundo inteiro. Passeio imperdível para conhecer a culinária e cultura de BH.

Experimente tomar café com pão de queijo por lá no café da manhã, provar carne com jiló no almoço e beber cerveja em pé no balcão. O Mercado Central abre de segunda a sábado, das 18h às 18h, e aos domingos e feriados das 8h às 13h.

O Mercado Central é ponto de encontro dos moradores e turistas. Créditos: Adão de Souza/Prefeitura de Belo Horizonte

 

Os botecos

O berço do festival “Comida di Buteco” não poderia deixar também de ser a capital nacional desse tipo de estabelecimento. Um levantamento feito pela prefeitura municipal, em 2017, apontou que em Beagá tinha 9.500 bares, uma média de 28 unidades por quilômetro quadrado de área do município. Para os amantes de uma gelada e de um bom petisco, esse título de Belo Horizonte é um prato cheio. Afinal, o próximo boteco fica “logo ali”, como dizem os mineiros.

A Savassi

Localizada na região Centro-Sul de Belo Horizonte, a Savassi é conhecida pela grande quantidade de bares, pela agitada vida noturna e por possuir um comércio aquecido e vocação para negócios. É uma das regiões mais prestigiadas da cidade. Seu point, sem dúvidas, é a famosa praça, que, na verdade, se chama Praça Diogo de Vasconcelos.

Mas é também na região da Savassi que está localizada a Praça da Liberdade, que, por muitas décadas, foi o coração administrativo do governo do Estado e, hoje, foi transformada em um circuito cultural. Impossível visitar BH sem passar um dia inteiro desbravando a pé cada cantinho da Savassi.

Praça da Liberdade, localizada na região da Savassi

O bairro de Santa Tereza

Dizem que a felicidade e a gentileza moram em Santa Tereza. E é verdade! Lá é um bairro onde as pessoas ainda conservam o hábito de dar bom dia e boa noite na rua, de trocar um “dedo de prosa” na porta de casa e das crianças brincarem na praça.

Carinhosamente chamado de “Santê”, o bairro é quase uma materialização da mineiridade, que corta a “compridez” das palavras. É um lugar que ultrapassa suas próprias fronteiras por ser um celeiro de produção cultural. O local é o berço de músicos famosos, como os grupos Skank e Sepultura. Mas nada se compara à importância de Santa Tereza para o cenário cultural do país como o fato de ser a casa do Clube da Esquina, o maior movimento musical já nascido em solo belorizontino.

O Parque Municipal

A principal área verde de BH pulsa no coração da cidade e foi inaugurada poucos meses antes da capital. Projetado para ser o maior e mais bonito parque urbano da América Latina, o Parque Municipal Américo Renné Giannetti foi inspirado nos parques franceses da Belle Époque. É um recanto de paz de 1.800 metros quadrados de vegetação em plena agitação do centro da cidade.

Nos arredores do Parque Municipal está um dos principais complexos culturais de Belo Horizonte: o Palácio das Artes. O monumento branco, localizado na Avenida Afonso Pena, abriga teatro, concertos, shows, cinema e exposições. Ali é palco de artistas consagrados e alternativos.

Durante a sua viagem em BH, acompanhe a programação do Palácio. É uma boa chance de aproveitar alguma boa atração em cartaz.

A feira “Hippie”

A feira de domingo, ou feira da avenida Afonso Pena ou, ainda, a feira hippie, como foi (e ainda é) conhecida por muitos anos, é a maior feira de artesanato do Brasil. O local é um convite à convivência, à troca e ao encontro cultural no espaço público, além de ser um grande centro comercial de produtos exclusivos e artesanais.

Na feira, você encontra flores desidratadas e arranjos decorativos, utilidades domésticas, móveis rústicos, cestos, tapetes e cortinas. Tem também calçados, bolsas, bijuterias, vestuário adulto e infantil, enxoval para bebês, brinquedos e bichinhos de pelúcia, além de instrumentos musicais de percussão, pinturas, esculturas e muito mais. Bateu aquela fome ou sede? Comida gostosa, sucos, cervejas e refrigerantes não faltam.

Bateu aquela fome ou sede? Comida gostosa, sucos, cervejas e refrigerantes não faltam. A feira funciona todos os domingos do ano, das 7h às 14h, na Avenida Afonso Pena entre as ruas da Bahia e Guajajaras, em frente ao Parque Municipal.

Feira “Hippie”, a maior feira de artesanato do Brasil Foto: Lolivan Terra

A Pampulha 

O maior cartão-postal de BH é, sem dúvidas, a Pampulha. Ao longo dos 18 km de orla da lagoa há diversas atrações turísticas que compõem o Conjunto Arquitetônico da Pampulha, projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer nos anos 40 e declarado, em 2016, patrimônio cultural da humanidade pela UNESCO.

As principais atrações turísticas da Pampulha são o Museu de Arte Moderna (originalmente um cassino), a Igrejinha da Pampulha, a Casa Kubitscheck e a Casa do Baile. Nos arredores estão também o Ginásio Mineirinho e o Estádio Mineirão – o famoso gigante da Pampulha, o Parque Ecológico e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Em uma visita a BH, a Pampulha merece, no mínimo, um dia inteiro dedicado somente a ela, pois é praticamente uma cidade dentro da cidade.

Pampulha, o maior cartão postal de Belo Horizonte

 

Igrejinha da Pampulha

Um dos símbolos de BH é a Igreja de São Francisco de Assis, mais conhecida como Igrejinha da Pampulha. O projeto é do famoso arquiteto Oscar Niemeyer e chama a atenção pelas linhas curvas e painéis do artista Cândido Portinari. O formato arredondado faz alusão às famosas montanhas de Minas Gerais.

 

O bairro Mangabeiras 

Localizado na região nobre da capital, o Mangabeiras é o endereço do famoso parque que leva o mesmo nome do bairro, uma das principais áreas verdes da cidade e segundo maior parque ambiental urbano do Brasil. O Parque das Mangabeiras foi projetado pelo paisagista Burle Marx. É muita beleza ao pé da serra do curral!

São 2,8 milhões de metros quadrados de muita área verde e 59 nascentes. Tem quadras poliesportivas, de peteca e de tênis, pista de skate, playground e atividades culturais. O acesso é feito após apresentar comprovante de imunização contra a febre amarela e documento de identidade. Funciona de quarta a domingo, das 8h às 17h. A entrada é gratuita.

Outro ponto turístico de destaque localizado no bairro é a Praça Israel Pinheiro, mais conhecida como Praça do Papa, que ganhou o apelido carinhoso em 1980, quando recebeu a visita do Papa João Paulo II. Na ocasião, ele celebrou uma histórica missa a céu aberto bem ali. Quem esteve presente ainda se lembra que o Papa admirou-se com a vista do local, um dos pontos mais altos de BH e exclamou: “que belo horizonte”! Sem dúvidas, uma grande verdade!

Praça do Papa, aos pés da Serra do Curral Foto: Ênio Prado

 

O pão de queijo

Para falar de culinária mineira, em Belo Horizonte, a capital do pão de queijo, temos que começar falando justamente dele. Sucesso em vários países, hoje em dia essa iguaria já é exportada para mais de 50 países.

 

A Pão de Queijaria

A casa fundada em 2014 oferece um cardápio diverso de pães de queijo, recheios e tipos de massas. A Pão de Queijaria tem o lanche preferido dos mineiros no tamanho caprichado, portanto, prepare-se para comer bastante! O clima é intimista e acolhedor bem ao estilo “mineiro” de ser.

Os pães de queijo recheados custam a partir de R$23. Para quem quiser acompanhamento, a casa oferece ministick de queijo do Serro, polenta frita, batata rústica e salada.

Há duas unidades do restaurante na cidade. A Pão de Queijaria da Savassi foi a primeira a ser inaugurada e funciona de segunda a sábado, das 11h às 22h. Aos domingos, apenas para delivery ou retirada no local. A mais recente fica no Mercado Novo, na Av. Olegário Maciel, 742, no Centro. Abre às quintas e sextas, das 16h às 23h. Aos sábados funciona das 12h às 23h e aos domingos das 12h às 18h.

 

Padaria Pampulha

Para quem estiver passando pela conhecida avenida Portugal, a parada é obrigatória na Padaria Pampulha. A dupla perfeita de café com pão de queijo quentinho faz sucesso lá! Massa impecável, preço justo e ambiente tranquilo!

A padaria fica na avenida Ministro Guilhermino de Oliveira, 381, bairro Santa Amélia. Funciona todos os dias de 6h às 21h40.

 

Bate e volta Nova Lima

Se sobrar um dia no seu roteiro por Belo Horizonte, opte por incluir a bucólica Nova Lima, localizada a 23 km da capital mineira. O município é polo de cervejarias artesanais, como a Krug Bier e a Verace. Dá para percorrer o beer tour, conhecer o processo de produção da bebida e ainda degustar vários rótulos.

As belezas naturais e o ecoturismo também atraem turistas. Visite o distrito de São Sebastião das Águas Claras, mais conhecido como Macacos, para provar a gastronomia mineira e se aventurar na natureza, com passeio de quadriciclo por trilhas e cachoeiras.

Macacos é um dos locais mais próximos de Belo Horizonte para relaxar e praticar esportes radicais.

Macacos é um dos locais mais próximos de Belo Horizonte para relaxar e praticar esportes radicais.

 

Quando ir a Belo Horizonte

Bateu aquela vontade de viajar e Belo Horizonte está nos seus planos? Pode confirmar a viagem! A capital de Minas Gerais é um ótimo destino para conhecer em qualquer época do ano. Tenha em mente que os períodos mais chuvosos vão de novembro a janeiro. E os melhores meses para se divertir na cidade vão de abril a setembro, quando o clima está bastante agradável.

As hospedagens têm bons preços, sobretudo nos finais de semana, e os bares estão abertos com cerveja gelada de sobra para receber os visitantes. A hospitalidade também é um ponto positivo na cidade. Vale visitar Belo Horizonte durante os festivais gastronômicos, como o Comida di Buteco, e em dias de jogos de futebol no estádio do Mineirão.

E aí, entendeu agora o que vem a ser essa tal “mineiridade”? Em Belo Horizonte, a capital do pão de queijo, você consegue sentir a cada suspiro, a cada final de frase “cantada”…E aí, malas prontas para desbravar a nossa querida BH? Aproveite e descubra a gastronomia da cidade com a 123Milhas!